Álbum de Retratos conta a história da arte no Brasil

Idéia do compositor Moacyr Luz chega ao segundo número com Cacá Diegues

Roberta Pennafort, O Estadao de S.Paulo

23 de dezembro de 2007 | 00h00

Certo dia, nos idos de 1995, o compositor Moacyr Luz chegou a um show de Nelson Sargento e, numa mesa, avistou o cineasta Cacá Diegues. Estranhou e foi perguntar a ligação entre os dois. Descobriu que eles eram amigos desde que Nelson pintou o apartamento em que Cacá morava (o sambista e artista plástico já foi pintor de paredes). A história inspirou Moacyr a criar a coleção Álbum de Retratos, que homenageia personagens da música, do cinema e das letras reunindo fotografias do acervo particular deles.A autoria dos livrinhos, que vêm numa caixa, é sempre de outra personalidade - e a ligação entre os dois é contada nas publicações. Os convidados escrevem pequenos textos que servem de comentário às fotos. No caso de Cacá Diegues, foi convocado Nelson Sargento. Cacá é um dos perfilados do segundo número da série, que traz também a história, em imagens, do fotógrafo Walter Firmo (assinada pela jornalista Cora Rónai) e do caricaturista Lan (pelo ator Antonio Pedro).A primeira caixa celebrou Jards Macalé, Dona Ivone Lara e Turíbio Santos. Ainda virão por aí: Zezé Motta, Bete Mendes, Ruth de Souza, Ferreira Gullar, Ruy Castro e Drauzio Varella. ''''Eu queria pessoas diferentes. Não havia necessidade de mais um livro sobre Vinicius de Moraes'''', explica Moacyr Luz, que obteve patrocínio da Petrobrás para o projeto.Folheando as páginas - que terminam numa cronologia -, encontramos fotografias de bebês, viagens, trabalhos, mães, filhos, netos e 3 x 4 de diferentes fases da vida, que saem dos baús de cada um. ''''É o grande barato dessa história. Não queríamos as fotos manjadas. É legal enxergar na fotografia de infância o futuro do artista'''', acredita Moacyr Luz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.