Acordo Ortográfico dá o tom no novo Soletrando

Sucesso, competição de Língua Portuguesa volta hoje à TV

Patrícia Villalba, O Estadao de S.Paulo

14 de março de 2009 | 00h00

Jiboia sem acento agudo, tranquilo sem trema, e enjoos sem acento circunflexo vão dar o tom especial da terceira edição do quadro Soletrando, que estreia hoje, às 14h30, no Caldeirão do Huck, da Globo. A competição entre 27 alunos de escolas públicas que representam os Estados brasileiros é um sucesso surpreendente, que combina jogo, o charme da Língua Portuguesa e histórias de superação, de grande apelo entre os telespectadores.O vencedor será conhecido no dia 13 de junho, após nove eliminatórias e três semifinais. A primeira etapa foi gravada na semana passada, mas a complicada produção do quadro, que envolve 2.189 escolas e mais de 400 mil alunos, começou há oito meses. O vencedor recebe o Troféu Monteiro Lobato e uma bolsa de estudos de R$ 100 mil.Ao Estado, o apresentador Luciano Huck diz que a intenção do quadro - inspirado na competição americana Spelling Bee - não é levantar bandeiras, mas divertir. E se essa diversão vier, inconscientemente, com a valorização do professor e do estudo, melhor ainda. "Neste ano, entre os competidores, estão dois meninos de 11 anos, que começaram a ver o quadro com 8 anos. Então, já tem uma geraçãozinha Soletrando, e isso é ótimo", diz ele, que já vendeu mais de 150 mil unidades do jogo inspirado no programa.Nesta entrevista, em seu escritório no Projac, o apresentador dá detalhes sobre a terceira edição do quadro, que tem como tema o Acordo Ortográfico.Qual o seu envolvimento com os candidatos até o momento em que o jogo começa?Nenhum, para ser o mais imparcial possível. É curioso como os candidatos têm sempre uma boa história de vida, que faz do quadro mais do que uma competição.Cara... Quando você joga a isca sabendo o que você quer, o que vem é sempre bom. Neste ano tem personagens incríveis: uma filha de pais analfabetos; uma outra, do Amazonas, que os pais são japoneses e não falam português. Ela agradece em japonês e ama a Língua Portuguesa. A popularidade do quadro vem das histórias de superação ou do interesse pela Língua Portuguesa?O Soletrando é uma mistura de um monte de coisas. Está no DNA do Caldeirão descobrir personagens, eu gosto de ouvir a história das pessoas. É muito interessante ver, num país onde o professor não é respeitado, crianças de 11 anos, nas situações mais adversas, que são leitoras vorazes. Daí, você mistura isso com a regionalidade, porque cada um tem um sotaque. O diferencial foi termos transformado isso num formato televisivo. É único no mundo.Como o Acordo Ortográfico entrará no programa?Levantamos a bandeira da reforma. A primeira rodada do jogo terá sempre palavras reformadas. E o professor Sergio Nogueira explica uma a uma.E você, já está sabendo tudo sobre as mudanças?Não... Só sei que estreia perdeu o acento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.