''Acho que comunico mais ao vivo do que nos discos''

A carreira musical de Ná Ozzetti (1958) teve início no Grupo Rumo, no fim dos anos 70. Depois de ter estudado canto, piano e artes plásticas, ela teria a dança como aliada para sua arte. Em 1988, lançou o primeiro disco-solo - Ná Ozzetti -, que foi premiado. Na mesma década se envolveria com a Vanguarda Paulista. Em 1996, a irmã de Dante Ozzetti gravou o CD Love Lee Rita, interpretando canções da compositora paulista, como Mania de Você e Fruto Proibido.Três anos depois, fundaria a própria gravadora, a Ná Records. Tem parcerias com Luiz Tati e Itamar Assumpção, entre outros. Em 2005, lançou, em duo com André Mehmari, o CD Piano & Voz. Ná Ozzetti presta homenagem a Carmen Miranda no show Balangandãs no Teatro Fecap (tel. 3188-4149 ), às 19 horas de hoje. O mesmo show pode ser visto entre quinta (dia 11) e domingo que vem (dia 14).Qual disco ou música mudou sua maneira de ver o mundo?Sgt. Pepper?s Lonely Hearts Club Band, dos Beatles, lançado em 1967. Eu tinha quase 10 anos, era uma criança que se maravilhou com o disco - imagina a dimensão? -, até hoje uma referência de renovação na linguagem musical.Que artista mais a influenciou?As influências são várias. Elas vão do Grupo Rumo a Kazuo Ohno, de Charles Chaplin a Monteiro Lobato, do Pixinguinha ao Milton Nascimento, da Carmen Miranda à Elis Regina. A literatura, o cinema, a dança e a própria música são referências fortes. Eu trabalhei no Grupo Rumo, que tinha uma proposta profunda, baseada no canto falado e com arranjos inovadores. Os espetáculos do dançarino japonês Kazuo Ohno mudaram minha forma de entender a dança e a vida.Que obra você detestou à primeira vista e passou a venerar depois?A primeira vez que ouvi Jimi Hendrix era criança e estranhei as distorções. Ele era over, mais radical, ia aos extremos, depois compreendi o que o gênero dele propunha.Que obra foi ficando cada vez melhor à medida que você escutava ao longo do tempo? É difícil escolher apenas um artista. Mas elejo Carmen Miranda. As interpretações dela, cheias de criatividade e jogadas de ritmo, que são muito mais do que a brejeirice que salta à primeira vista, parecem ficar melhores com o tempo. Eu comecei a escutá-la no começo da minha carreira, e fiquei fascinada com os compositores nem tão conhecidos assim que ela cantava, como o Noel Rosa, o Lamartine Babo e o Sinhô. Há elementos escondidos na canção que ela interpreta.Qual disco ruim você adora ouvir, mas tem vergonha de dizer? Se for ruim para mim, certamente não terei paciência de escutar. É difícil dar uma segunda chance.Qual disco você comprou levado pela opinião alheia e odiou?Nenhum. Não compro muito disco. Não tenho muito tempo para comprar. Não sou muito consumista.Que música de outro você gostaria de ter composto? Algumas daquela dupla - Lennon e McCartney -, porque ela é simplesmente maravilhosa. É brincadeira. Sinceramente eu nunca tive esse desejo. Tem outros compositores. Eu queria ter o gênio de Tom Jobim.Qual disco de sucesso deixa você com inveja por não tê-lo feito?O que pode acontecer é alguns discos me inspirarem a criar. Mas não tenho vontade de fazer algo que outros já tenham feito e bem.Qual clássico da MPB você acha que não merece esse título? Todos os clássicos que conheço merecem o título.Qual disco fez você passar uma noite em claro analisando? Dança das Cabeças, de Egberto Gismonti e Naná Vasconcelos, de 1977. Ele é um divisor de águas e tem uma unidade perfeita. As composições estão em simbiose.Qual você nunca deixa de ouvir?Uma coletânea de gravações da Billie Holiday. O canto da Billie é sempre surpreendente e eternamente inspirador.Quais os maiores cantores de todos os tempos?Elis Regina é fenomenal. Eu listaria também a Billie Holiday, Ella Fitzgerald, Milton Nascimento e João Gilberto.Você é mais Caetano Veloso ou Chico Buarque? Maria Bethânia ou Gal Costa? Por quê?Todos ao mesmo tempo. Porque são todos geniais e o conjunto é melhor ainda.De qual compositor(a), grupo ou cantor(a) você tem todos os discos? Luiz Tatit, Itamar Assumpção, André Mehmari, José Miguel Wisnik e Dante Ozzetti. Tenho muitos do Caetano Veloso, do Milton Nascimento, do Chico Buarque e do Tom Jobim.Aponte um disco que considera um clássico instantâneo.Vou apontar dois - Elis e Tom e Minas, do Milton.E outro, lançado nos últimos dez anos, que está entre os melhores de todos os tempos. Dez Cordas, do violeiro Ivan Vilela, e Lachrimae, do André Mehmari. São discos lindíssimos, que eu escuto muito.Qual foi o show que mais marcou sua vida? Foram dois: Beleléu, Leléu, Eu, do Itamar Assumpção, e Tutu, do Miles Davis.De qual cantor(a) ou grupo brasileiro você jamais compraria um disco? Não compro disco de ninguém que seja vendido numa banca de discos piratas.Quem você acha que jamais deveria ter gravado um disco?Quem não tem nada a dizer musicalmente. Mas não gosto de ficar julgando. De certa forma, todos têm a sua função.Qual cantor(a) é melhor do que os discos que grava?É fato que alguns cantores rendem mais ao vivo do que nos discos. Eu mesma acho que comunico mais ao vivo, embora adore gravar.Qual compositor de talento não deveria gravar as próprias canções?Não penso assim. Geralmente gosto muito de escutar as canções interpretadas pelos próprios compositores.Qual o erro mais constante em discos que você evita nos seus? Eu não sigo modismos, que entendo como a chegada de uma linguagem nova que dá certo no mercado e depois é explorada como cópia. Não gosto de perceber que estou sofrendo influência, que tem de ser diluída no meu processo de criação. As influências têm de se transmutar em algo melhor.Que músico você admira por combinar atitude e qualidade artística?Muitos, cito dois - Mário Manga e André Mehmari.Quais as qualidades que você preza na boa música?É um conjunto de vários itens. São infinitas as possibilidades musicais, tudo é possível. A música pode ser maravilhosa de tantas maneiras e, pessoalmente, gosto de transitar nessas diferenças.V

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.