A sorte do autor de Uma Mulher Vestida de Preto

Primeira comédia de Jorge Felix conta com o talento cômico dos atores Cristina Mutarelli e Nilton Bicudo

Beth Néspoli, O Estadao de S.Paulo

13 de março de 2009 | 00h00

Cristina Mutarelli e Nilton Bicudo, do time dos nossos melhores atores de teatro e com talento para explorar a matéria-prima cômica com inteligência e ao limite da gargalhada, sobem juntos ao palco a partir de amanhã, na sala B do Teatro Alfa. Eles estão na comédia Uma Mulher Vestida de Preto, do autor estreante Jorge Felix e com direção de Roney Facchini, que na década de 80 contracenou com Cristina no famoso grupo Pod Minoga.Cleusa Maria, interpretada por ela, é uma mulher de 50 anos, separada, que retoma sua vida amorosa. Já Nilton Bicudo vive várias outras personagens desde uma cartomante - que Cleusa confessa muito envergonhada ter consultado e, o público logo perceberá, trata-se de uma arrematada vigarista - até sua sócia e melhor amiga. "Ele só não faz papéis masculinos", adianta Facchini. "Ela fala sobre os homens com os quais se relacionou, mas nesse caso que achei importante preservar a fantasia." Ou seja, dos ?ex? sabemos apenas a versão dela, como o mau-caratismo do marido que a abandonou afundada em dívidas, depois de envolvê-la numa falcatrua."É uma mulher de 50 anos, um dado importante. Ela se casou em outra época, teve criação pautada por valores hoje ultrapassados. Ela diz, por exemplo, que o pai não a deixava nem mesmo assinar um cheque." Assim, de um provedor a outro, chegou o momento que percebeu que tinha de trabalhar, é o que conta ao público, com humor, enquanto espera o telefonema de um novo namorado."Bacana é que ela foi à luta, virou sacoleira. Fizemos algumas sessões abertas, uma delas só para bancários, e a reação foi surpreendente, a plateia ria muito. Eu achei que seria uma peça voltada para mulheres, mas os homens estão adorando também." ServiçoTeatro Alfa. R. Bento Branco de Andrade Filho, 722, 5693-4000. Sáb., 21 h; dom., 20 h. R$ 40. 60 min. 14 anos. Até 31/5

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.