A percepção tratada como objeto para ser analisado

Embora o problema da percepção seja fundamental para o ser humano, a tradição tendeu a tratá-lo com negligência. Essa é a opinião de Renaud Barbaras, professor de filosofia contemporânea da Université Paris 1 Panthéon-Sorbonne. Para ele, o tema sempre foi abordado sob uma perspectiva reducionista: a sensibilidade entendida apenas como um conjunto de qualidades subjetivas, e não como objeto passível de estudo. Neste livro, Barbaras elabora um projeto de fenomenologia da percepção. Para isso, recorre ao pensamento do filósofo alemão Edmund Husserl (1859-1938), considerado o fundador da fenomenologia, a qual estudou de modo descrito a experiência vivida da subjetividade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.