A obsessão por uma obra de emoção profunda

Pablo Picasso disse que, depois da morte de Matisse, Chagall seria o único pintor a entender exatamente as possibilidades da cor. Pioneiro do modernismo, o russo Marc Chagall (1887-1985) é considerado um dos expoentes da pintura no século 20. Nascido pobre, filho de judeu, ele criou fama e fortuna. Por trás desse triunfo escondiam-se suas lutas, seus desgostos, seus amores frustrados, seu exílio e, acima de tudo, uma vida de tintas milagrosas. Crítica de arte do Financial Times, Jackie Wullschlager explora detalhadamente a complexa relação de Chagall - um homem obcecado pela criação de uma arte singular, de profunda emoção - com sua terra natal e como isso se traduziu na sua arte influente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.