Elliott Verdier/The New York Times
Elliott Verdier/The New York Times

A Mona Lisa faz da visita ao Louvre um inferno; aqui vão sete soluções, de acordo com o Twitter

Pintura atrai milhões de visitantes todos os anos, mas muitos ficam desapontados com a visita

Natalie Compton, The Washington Post

13 de novembro de 2019 | 10h00


A cada minuto do horário de funcionamento do Museu do Louvre, uma massa de turistas se aglomera para ver de perto toda a glória da pintura mais famosa do mundo. Pendurada atrás de um vidro à prova de balas, a Mona Lisa de Leonardo da Vinci só alcançou essa fama meteórica depois de ser roubada em 1911. Hoje, atrai milhões de visitantes todos os anos. Mas muitos ficam desapontados com a visita.

Então veio a opinião polêmica de Jason Farago, crítico de arte do New York Times. Em seu artigo “Está na hora de derrubar a Mona Lisa”, Farago diz que o quadro é “um risco à segurança, um obstáculo educacional e um item meio decepcionante da lista das coisas para se fazer antes de morrer”. E pede que essa tão aclamada obra-prima seja transferida para um espaço construído apenas para ela.

O Twitter entrou em erupção e os usuários da plataforma dispararam uma tempestade de tweets em resposta. Muitas pessoas pareciam ter lido apenas a manchete e pensavam que Farago queria sumir com a pintura de vez. Outras enviaram ideias - tanto soluções burlescas quanto sugestões coerentes - para melhorar a situação. Aqui estão nossas sete soluções favoritas, das mais práticas às mais absurdas.


 

1. Fazer uma caça ao tesouro

Em vez de simplesmente exibir a 'Mona Lisa' verdadeira, espalhar várias réplicas falsas por todo o Louvre e deixar que as pessoas adivinhem qual delas é a original, de acordo com um usuário do Twitter. Farago observou em seu artigo que não há nenhuma outra obra do museu apresenta o mesmo problema de aglomeração, e a proposta de Marc Breaux evitaria as massas na frente de uma única 'Mona Lisa'. Sempre há muita discussão em torno da autenticidade das pinturas, mesmo das obras de da Vinci. Por que não jogar mais lenha nessa fogueira?


 

2. Proibir o uso de smartphones na galeria

As pessoas não ficam se acotovelando necessariamente para ver a 'Mona Lisa', mas, sim, para tirar uma foto dela ou com ela. A pesquisadora Susan Milligan argumenta que, se fosse proibido fotografar, a multidão seria menos caótica. Mas nem todo mundo vai curtir essa ideia: de que adianta ver a 'Mona Lisa' e não tirar foto? Vamos apenas contar às pessoas que estivemos lá? Em 2019, você precisa provar no Instagram que entende de arte. Ou pelo menos ter uma foto que viverá no seu iPad por toda a eternidade.


 

3. Levar a Mona Lisa para Marselha

Paris não precisa de ajuda para atrair turistas. Por que não incentivar as 10 milhões de pessoas que foram visitar a 'Mona Lisa' no ano passado a conhecer uma cidade francesa completamente diferente? Foi o que sugeriu um usuário do Twitter.

Farago tinha defendido uma mudança para os Emirados Árabes Unidos, mas Stephen Smith deu a sugestão de manter as coisas em família e enviar o quadro para Marselha. Seria um incentivo ao turismo para qualquer outra cidade francesa e provavelmente reduziria o número de visitantes àqueles dispostos a fazer a viagem.


 

4. Roubar a Mona Lisa

Não apoiamos esta alternativa, mas o editor da GQ, Chris Gayomali, joga pesado com a sugestão de roubar a 'Mona Lisa'. Considerando que a pintura “viralizou” em 1911 - ou seja lá qual era o termo que usavam na época - quando foi roubada pela primeira vez, a tática poderia funcionar de novo, gerando uma nova tempestade midiática que ocasionaria a transferência da pintura para Marselha.


 

5. Transformar a Mona Lisa em um festival

A geração do milênio já foi acusada de acabar com uma série de coisas que antes eram muito queridas, dos cereais matinais à indústria de diamantes. Também é a geração culpada por matar a 'Mona Lisa'? Um problema causado por millennials merece uma solução aprovada por millennials. Então basta combinar o gosto da geração pelas experiências de viagens e pelos festivais e criar um festival dedicado à obra de da Vinci, com direito a muita música, gastronomia local e filas de banheiro químico.


 

6. Destruir todas obras de arte famosas

No melhor estilo “é por isso que não podemos ter coisas boas”, Sean O'Neal conclama à destruição não apenas da 'Mona Lisa', mas de todas as grandes obras de arte. Já provamos que não sabemos lidar com essas coisas, então está na hora de acabar com tudo. Fiquemos apenas com as obras menos conhecidas, até aprendermos a nos comportar diante das mais renomadas.


 

7. Cortar franja!

A revista Cut sugeriu o que chamaram de verdadeira transformação a que muitas mulheres recorrem na vida: a 'Mona Lisa' deveria cortar uma franja nos cabelos. Pode não resolver os problemas, mas o novo corte seria um ajuste fácil que pelo menos daria a sensação de que alguma coisa mudou na vida. É só não deixar o trabalho nas mãos do artista que retocou a pintura daquele Jesus do século 19 em Borja, na Espanha.


TRADUÇÃO DE RENATO PRELORENTZOU


 

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
Museu do LouvremuseuMona Lisapintura

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.