A incrível história de Soy Cuba, uma obra-prima esquecida

É fascinante o percurso de Soy Cuba - O Mamute Siberiano (Canal Brasil, 22h) ao resgatar a trajetória de um filme que teve tudo para entrar na história do cinema, mas ficou à margem. Soy Cuba foi uma produção soviética rodada em 1963 para fazer propaganda da revolução cubana. Seu diretor, Mikhail Kalatozov, era um craque e conhecia tudo da técnica cinematográfica. Fez um trabalho suntuoso, com todo o capricho e os melhores recursos disponíveis na ilha. No entanto, alguma coisa não deu certo. O filme "não deu química", como se diz no jargão. Soy Cuba ficou esquecido pelo mundo, mal-amado pelos cubanos e pelos soviéticos.Essa a história que o brasileiro Vicente Ferraz recupera em O Mamute Siberiano. Conta os casos da filmagem e ouve sobreviventes do elenco e da equipe técnica. Alguns são notáveis: o ator cubano Sérgio Corrieri de Memórias do Subdesenvolvimento) simplesmente havia esquecido da sua participação no filme de Kalatozov. O curioso é que, muito depois, Soy Cuba foi redescoberto e cineastas como Martin Scorsese o têm hoje na conta de obra-prima. Na época em que poderia ter sido importante foi ignorado; agora, que virou peça de museu, é reverenciado. Ironias da história.

Luiz Zanin Oricchio, O Estadao de S.Paulo

02 de dezembro de 2008 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.