A hora dos nacionais na TV Globo

Inédito na TV aberta, Se Eu Fosse Você, de Daniel Filho, produção da Total Entertainment, deveria integrar a programação do Festival Nacional de 2009, que começa hoje na Globo, mas ficou para abril, quando a emissora dá a grande virada e inicia o ano para valer. A sequência está arrebentando nos cinemas - dados da distribuidora Fox e da empresa produtora anunciam que Se Eu Fosse Você 2 fez cerca de 570 mil espectadores em três dias. Somando-se este número ao público pagante das pré-estreias, o filme de Daniel Filho com Tony Ramos e Glória Pires já está batendo nos 800 mil espectadores, devendo ultrapassar o milhão ainda na primeira semana.É nesse quadro de otimismo que a Globo inicia o Festival Nacional, que vai exibir quatro filmes, de hoje até sexta-feira. Três dos escolhidos - A Grande Família, de Maurício Farias, que inicia hoje a seleção, mais O Coronel e o Lobisomem, também de Maurício Farias, e Ó Paí Ó, de Monique Gardenberg - são produções da Globo Filmes, e o terceiro, inclusive, deu origem a uma série já exibida pela emissora, com êxito de público e crítica. Esses três filmes fizeram nos cinemas entre 500 mil espectadores (Ó Paí) e 2 milhões (A Grande Família). O que teve menor público pagante foi o quarto título a ser exibido, Bendito Fruto, de Sérgio Goldenberg , que não tem vinculação com a Globo, mas possui um perfil que se encaixa no chamado ?target?. O Festival Nacional quer dialogar com o público oferecendo produtos de qualidade técnica e artística.Segundo a avaliação do diretor da Globo Filmes, Carlos Eduardo Rodrigues, a empresa que acaba de completar uma década de atividades - em 25 de dezembro - está diretamente ligada ao diferencial de mercado no País. Nove das dez maiores bilheterias do cinema brasileiro da retomada que começou com Carlota Joaquina, de Carla Camurati, em 1995, tem a chancela da Globo. Com a previsível inclusão de Se Eu Fosse Você 2 na relação das dez maiores bilheterias - considerando-se o estouro do primeiro fim de semana -, a Globo Filmes poderá chegar a ocupar todos os espaços de público no cinema. Cadu, como é conhecido, antecipa-se às críticas. "Xuxa e os Duendes é um dos dez e Xuxa já era uma marca consagrada muito antes de a Globo Filmes existir." Segundo ele, apenas Os Normais - O Filme nasceu como um projeto da Globo Filmes. Em todos os demais casos, a parceria veio depois e os projetos surgiram de produtoras independentes e/ou parceiras das majors (as empresas de Hollywood).Dez sobre dez indica uma ocupação integral de espaços e pode até ser visto como uma dominação perigosa do mercado. Cadu faz outro tipo de análise. "O mercado de filme estrangeiro no Brasil tem se mantido estável em torno de 78/79 milhões de espectadores. O que tem feito a diferença é o cinema brasileiro. Quando filmes brasileiros vão bem, o mercado ultrapassa a expectativa e, como eu já disse, são produções de independentes, que ajudamos a alavancar. Temos até um sistema mais recente, que é o apoio. A gente não se envolve em nada na produção" O caso de Se Eu Fosse Você (1 e 2) é exemplar. O primeiro filme foi um projeto da Total, que conseguiu envolver o produtor e diretor Daniel Filho (e sua empresa Lereby). O segundo surgiu de uma proposta da própria empresa (co)produtora e distribuidora Fox. "Estamos muito animados porque a resposta do público está superando nossa expectativa mais otimista", avalia a produtora Walkiria Barbosa, que segue a dança dos números via Fox e Filme B, a principal aferidora de mercado de cinema do Brasil."Temos pesquisas que asseguram que o público está considerando o segundo filme melhor do que o primeiro", ela diz. "Só isso já seria animador, mas Se Eu Fosse Você 2 ainda está fazendo o que se chama de cross-over. O filme é um sucesso com o público classe A e com o C e D." Do seu escritório, no Rio, ela conta que, em São Paulo, shoppings tão diferenciados quanto o Iguatemi e o Aricanduva tem lotado todas as sessões. "No Rio, uma sala em Bangu literalmente ressuscitou, registrando números na sexta-feira e no sábado como não ocorria há anos." É nesse quadro que o Festival Nacional pede passagem. Para a produtora Walkiria, falando pela Total, Se Eu Fosse Você (o um) já estaria estreando na Globo em fevereiro, para realimentar a frequência do 2 nos cinemas, daqui a um mês. A Grande Família, você conhece. Ó Paí Ó, também - embora, neste caso, muita gente que viu a série somente agora fará a descoberta do filme de Monique Gardenberg com Wagner Moura, Lázaro Ramos, Dira Paes e uma coadjuvante espetacular, Luciana Souza, que faz a crente, Dona Joana. Sua corrida desesperada atrás dos filhos - dos seus meninos - é um momento de arrepiar. O Coronel o Lobisomem vai atrair o público com seus efeitos e a trama adaptada do romance de José Cândido de Carvalho. Bendito Fruto será uma descoberta rara. O filme fala de tolerância racial e sexual e traz Zezeh Barbosa (melhor atriz) e Lúcia Alves (melhor coadjuvante) em atuações vencedoras no Festival de Brasília. "O público adora cinema brasileiro. Você vai ver o sucesso desse festival na Globo", comemora, antecipadamente, Walkiria Barbosa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.