A fotografia se destaca nas demais exposições

Como de prática, os ciclos de exposições do Centro Maria Antonia colocam numa mesma edição, em cinco espaços expositivos, tanto mostras de cunho mais histórico quanto de criadores de meia-idade e contemporâneos. Desta vez, além da exposição de Wesley Duke Lee, Carlos Fajardo, José Resende, Luiz Paulo Baravelli e Frederico Nasser com cunho nos anos 60, a instituição apresenta as mostras de Marco Giannotti, Lia Chaia, Helena Martins-Costa e Beatriz Toledo.O pintor Marco Giannotti exibe agora em Quadrante uma série fotográfica nunca antes exibida. As imagens estão colocadas sobre mesas, em grupos formados por quatro fotografias, impressas digitalmente. Como não poderia deixar de ser, apresentam em imagem os recortes do cotidiano feitos pelo olhar de um pintor. Travam-se entre as imagens uma relação formal, enraizada em questões tão caras à trajetória do artista, "a força construtiva da cor e o papel da pintura na configuração da espacialidade contemporânea", como já destacou o crítico Nelson Brissac.Já em Rodopio, Lia Chaia, uma das jovens artistas de mais destaque na cena brasileira, promove uma intervenção de relação com a arquitetura da instituição: no primeiro piso do prédio, ela revestiu uma das colunas de sustentação do edifício com bambolês coloridos empilhados. Sua mostra ainda se completa com vídeo em que seu corpo é o suporte.Na pequena sala do Maria Antonia, Helena Martins-Costa exibe um curioso trabalho de pesquisa fotográfica: a artista coloca imagens em preto e branco, no mesmo formato, todas de tempo remoto (entre 1910 e 1970) em que aparecem pares formados só por homens ou só por mulheres. A fotografia também é o gênero explorado por Beatriz Toledo. Serviço Ciclo de Exposições. Centro Universitário Maria Antonia. Rua Maria Antonia, 294, tel. 3255-1815. 12 h/ 21 h; sáb. e dom., 10 h/18 h (fecha 2.ª). Grátis. Até 31/5

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.