A força da união de voz, violão letra e melodia

A cantora Verônica Ferriani e o compositor, instrumentalista e arranjador Chico Saraiva apresentam Sobre Palavras, com versos de Mauro Aguiar, em show hoje

Lauro Lisboa Garcia, O Estadao de S.Paulo

11 de setembro de 2009 | 00h00

Os caminhos de Verônica Ferriani e Chico Saraiva já se cruzaram antes com bons resultados para a musicalidade de ambos. Um avanço significativo em suas carreiras é o novo projeto em dupla, que conta com a parceria do letrista Mauro Aguiar em todas as canções. É o CD Sobre Palavras (selo Borandá), que a cantora e o compositor, violinista e arranjador lançam com show único hoje no Sesc Pompeia.

Saraiva é compositor sofisticado que se aprimora a cada trabalho. Aguiar - que já assinou parcerias marcantes com Guinga e Mario Séve, entre outros - confirma sua notável aptidão para abordar temas fora do comum em versos embebidos em musicalidade própria. Verônica - que estreou em 2004 como vocalista da banda de Saraiva - é uma cantora consistente, afinada e versátil. Ao mesmo tempo em que vem se desenvolvendo no palco, faz seu canto evoluir também nas gravações, já com maior intimidade com o estúdio. ''Agora fiquei mais tranquila do que quando gravei meu disco'', confirma a cantora. Essas qualidades dos três aparecem plenas, sem que nenhum embace a personalidade do outro. É um resultado característico destes tempos em que os trabalhos em esquema de colaboração, como o de Dani Gurgel, se proliferam.

Saraiva sempre privilegiou o violão em seus projetos, mas passou também a desenvolver seu lado cancionista, mais tradicional. Pela primeira vez criou melodias a partir das letras já prontas de Aguiar - não é por acaso que o CD se chama Sobre Palavras, o que levou a compor de maneira diferente do habitual.

Apesar das similaridades de propósito com o autor - como ''a paixão declarada pela música brasileira'' -, Verônica diz que foi um ''processo até complexo'' de adaptação de ambas as partes, considerando ainda as ''muitas ideias'' e ''temáticas novas'' das letras de Aguiar, como Na Pele e Errática. Para ela, isso foi mais desafiador do que a técnica exigida para traduzir o rebuscamento musical das melodias e arranjos de Saraiva. Elas trouxe para música de Chico um lado ''mais popular''.

''Ela tem uma clareza muito grande na interpretação, uma beleza no canto, que foi me guiando, elogia Saraiva. ''A marca de versatilidade foi a primeira coisa que senti nela e ao mesmo tempo ela torna as músicas suas, o que é bem difícil. É uma grande profissional.'' Saraiva diz que, como todo mundo de sua geração, tem fascínio pelo hibridismo. ''A mistura de ritmos brasileiros é o que busco claramente.'' Daí a diversidade de gêneros permeando as novas canções: coco, bolero, samba, maracatu, ixejá...

Confluência de talentos primorosos, o álbum, produzido por Saraiva e Verônica, tem participação de Toninho Ferragutti (acordeom), Chico César e Marcelo Pretto (vozes).

Serviço

Chico Saraiva e Verônica Ferriani. Teatro do Sesc Pompeia (385 lug.). Rua Clélia, 93, 3871-7700. Hoje, 21h. R$ 16

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.