A fascinante trajetória de cem livrarias

Livro revê casas livreiras que formaram intelectuais e contrariaram governos

Ubiratan Brasil, O Estadao de S.Paulo

29 de abril de 2009 | 00h00

Os jesuítas foram os primeiros a comercializar livros no Brasil, entre os séculos 17 e 18. Eram apenas obras piedosas, vendidas no colégio da ordem, no Rio de Janeiro - qualquer outro título tinha de ser encomendado em Portugal. "É sabido que os livros já circulavam nas grandes cidades brasileiras até mesmo no século 16, mas é quase certa a inexistência de pontos de venda", comenta o historiador Ubiratan Machado que, a partir de esforços próprios, fez inúmeras pesquisas para concluir o Pequeno Guia Histórico das Livrarias Brasileiras, recentemente lançado pela Ateliê Editorial (264 páginas, R$ 40).Trata-se da seleção de cem livrarias que, ao longo dos anos, deixaram marcas profundas em diversas cidades nacionais. Assim, percorre um caminho iniciado pelas mais antigas (como a Loja de Livros de Manuel Ribeiro dos Santos, aberta em 1750, em Vila Rica) até chegar às mais modernas, aquelas que representam uma resposta às megastores, como a simpática Dantes, do Rio de Janeiro, em funcionamento desde 1994.Em sua pesquisa, Machado tomou o cuidado de evitar armadilhas. "Os registros datados dos séculos 17 e 18 são vagos e imprecisos, o que impede dizer quando realmente surgiram as primeiras livrarias brasileiras", afirma. "A semântica também é traiçoeira, pois, na época, o termo ?livreiro? incluía todos os que trabalhavam com livro - assim, o mais provável é que se tratasse de encadernadores."Havia, no entanto, pontos de vendas de livros. Na verdade, um comércio medíocre e restrito a livros usados, efetuado em empórios ou em lojas de encadernação, cuja existência precedeu as livrarias. "Era natural que alguém, desejoso de se desfazer de uma obra, deixasse-a aos cuidados de um encadernador. A afinidade do negócio facilitava a venda."Machado observou também que os imigrantes foram os principais incentivadores das lojas nacionais. "Em todo o século 19, até os anos 20 do seguinte, as livrarias fundadas por imigrantes europeus talvez superem, em número, as casas fundadas por brasileiros", anota. Basta acompanhar a importância de espaços como a Laemmert (fundada em 1833), Garnier (1845), Lombaerts (1848) e Garraux (1850) - ponto de encontro de escritores, políticos e intelectuais, as livrarias fomentavam a ainda restrita cultura nacional.A Garnier, por exemplo, que foi a mais importante do Rio de Janeiro no século 19 e início do seguinte - seu nome era um mito, atraindo visitantes de outras cidades, que a tomavam como um templo. "Ali, o jovem Machado de Assis mantinha longas conversas com José de Alencar, o maior romancista da época", conta o pesquisador.Machado de Assis, aliás, manteve íntimos contatos com livrarias. Foi na pequena lojinha chamada Paula Brito, por exemplo, fundada em 1850, que o autor de Memórias Póstumas de Brás Cubas trabalhou como balconista.Um punhado de curiosidades, aliás, pontua a obra de Ubiratan Machado. Ao folhear suas páginas, descobre-se que o português Manuel Antônio da Silva Serva, instalado em Salvador a partir de 1797 quando iniciou um negócio em que vendia, entre outros objetos, também livros, foi o primeiro livreiro a abrir uma filial em outro Estado - em 1811, fundou uma loja de livros no Rio de Janeiro.Já o descendente de francês Paulo Martin Filho, que abriu seu estabelecimento também no Rio em 1808 por conta da vinda da Família Real, foi o primeiro livreiro-editor brasileiro, lançando traduções de obras francesas. E você sabia que a livraria do português Antônio José Coimbra, fundada em Salvador em 1821, apesar de precária, foi a primeira brasileira a utilizar etiquetas em livros?A lista de curiosidades aponta ainda a carioca Casa do Livro Azul (1828) como o primeiro sebo do Brasil (em São Paulo, a primazia ficou com a Gazeau, em 1893); a paulistana Teixeira (1876) como pioneira das tardes de autógrafos; e, finalmente, a Ao Livro Verde, instalada na cidade fluminense de Campos em 1844, como a mais antiga em atividade no Brasil.Em São Paulo, o comércio livreiro começou a aflorar com a industrialização do século 20. Foi aqui que se instalaram as hoje conhecidas Saraiva (1917), Siciliano (1942) e Cultura (1947). Todas pontos de encontro de intelectuais, como a Jaraguá, fundada por Alfredo Mesquita em 1942, que se inspirou nas livrarias universitárias inglesas.Machado destaca ainda o espírito combativo da Civilização Brasileira (1933), no Rio, ponto de encontro de intelectuais de esquerda. E a gaúcha Livraria do Globo (1883), referência para Érico Veríssimo. "O Brasil teve, em sua história, cerca de 4 mil livrarias. Espaços vitais de reflexão e criação." O SUCESSO DAS VENDAS NA INTERNETVIRTUAIS: Com a internet, a oferta de livros ganhou uma nova e poderosa ferramenta. Além dos sites de livrarias e editoras, o internauta dispõe ainda de endereços nos quais é possível encontrar praticamente qualquer edição - principalmente de títulos considerados esgotados. O portal Estante Virtual (www.estantevirtual.com.br), por exemplo, reúne o acervo de mais de 1.415 sebos de todo o Brasil e já é chamado de "Google dos sebos", tamanho o alcance de sua coleção e as possibilidades de busca. São mais de 4 milhões de obras disponíveis, entre raridades e livros que continuam em catálogo. A ideia partiu de André Garcia que, ao cursar pós-graduação em psicologia social no Rio de Janeiro, enfrentou diversas dificuldades para encontrar a bibliografia necessária. Surgiu, então, a possibilidade de montar um site para congregar sebos de todo o País. No começo, eram 31 cadastrados e agora, três anos depois, o número cresce rapidamente - nesta semana, por exemplo, o portal comemorou a cifra de 5 mil cidades brasileiras com leitores registrados. O sucesso despertou a atenção também de livrarias convencionais, que começaram a vender livros usados, especialmente de ponta de estoque. Com isso, elas solicitaram registro no site, no qual figuram ainda depoimentos de livreiros que fecharam as suas lojas físicas e passaram a funcionar apenas como sebo virtual.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.