A escravidão como marca eterna da humanidade

Escravidão e Morte SocialOrlando PattersonTradução de Fábio D. JolyEdusp, 540 págs., R$ 79A escravidão significa uma morte social. A conclusão a que Oscar Patterson, professor de sociologia da Universidade de Harvard, chegou deve-se a um estudo comparativo de fôlego. Ele trata da dinâmica interna da escravidão em 66 sociedades diferentes em diversas épocas - Grécia, Roma, Europa medieval, China, Coreia, mundo islâmico, África, Caribe e América do Sul. O estudo compõe uma teoria sobre a universalidade das estruturas e processos do escravismo. A escravidão ocorreu durante a história da humanidade e é incipiente em todas as sociedades. Patterson passa longe das interpretações que tratam o escravo como propriedade e a escravidão como exploração trabalhista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.