A construção e a expressão em duas mostras paralelas

Sérgio Sister segue a trilha do neoconcretismo e Cristina Canale permanece fiel à linguagem figurativa

O Estadao de S.Paulo

07 de julho de 2024 | 00h00

Dois outros artistas abrem hoje exposições no Instituto Tomie Ohtake, um deles dialogando diretamente com a tradição construtiva, o pintor paulista Sérgio Sister. Ele apresenta pinturas pouco convencionais, feitas com ripas de madeira e alumínio recoberto com tela, que remetem diretamente aos ''''objetos ativos'''' de Willys de Castro (1926-1988), um dos maiores nomes da arte neoconcreta brasileira. Castro, com esses objetos ativos criados em 1959, colocou em questão não só a bidimensionalidade da pintura, como inseriu signos num território até então abstrato, que rejeitava aproximação com o símbolo.O artista, que adotou a abstração nos anos 1980, quando o neoexpressionismo dominava a arte, apresenta pinturas limitadas às bordas das ripas de grande formato escoradas na parede. Elas colocam em questão os limites entre pintura e escultura, a exemplo do objetos de Willys de Castro (que aplicava a cor na lateral das obras).Cristina Canale, artista da Geração 80 que começou a carreira no auge do neoexpressionismo, manteve-se fiel à linguagem figurativa, mas suas amplas áreas de cor e contorno indefinido revelam certa tendência à abstração. Pode ser que, seguindo a profecia de Torres García, que via na arte abstrata a expressão máxima de um povo, também seja seu caminho no futuro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.