A arte como espaço para experiências sociais novas

Em Estética Relacional, traduzido por Denise Bottmann, o crítico de arte francês Nicolas Bourriaud (1965) questiona os verdadeiros interesses da arte contemporânea. Ele procura debater também as relações da criação artística com a sociedade, a história e a cultura. Sua abordagem leva em conta o fato de que, enquanto as relações humanas são realizadas dentro de um espaço controlado, que destrói os vínculos entre as pessoas, a arte surge como um campo fértil para experimentações de natureza social. O autor investiga, então, a sensibilidade coletiva que perpassa as novas criações artísticas. Além de teórico da arte contemporânea, Bourriaud é fundador da revista Documents sur l?Art.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.