A América tentou se transformar numa aranha

Em 1941, o governo de Getúlio Vargas aliou-se aos EUA no combate ao nazismo. Essa decisão comportava uma vontade política - o País tinha intenção de se tornar uma potência sul-americana. Em agosto daquele ano, começou a circular no jornal A Manhã o suplemento cultural Pensamento da América, destinado a divulgar os valores intelectuais do continente. Diferentes intelectuais colaboraram, como Ribeiro Couto, Manuel Bandeira, Cecília Meireles, Jorge de Lima, Vinicius de Moraes, Dante Milano. Formada em História pela UFRJ, Ana Luiza Beraba (1979) escreve sobre essa tentativa de integração cultural a partir das 1.128 páginas de Pensamento da América, que circulou por sete anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.