50 anos da obra-prima A Doce Vida

Para lembrar a data, o crítico e amigo de Fellini, Tullio Kezich, amplia e lança o diário que narra a trajetória atribulada do longa

Mariarosaria Fabris, O Estadao de S.Paulo

11 de junho de 2009 | 00h00

No dia 23 de abril de 1934: o semanário La Domenica del Corriere estampa em sua capa o desenho de um enorme peixe-lua encontrado na arrebentação, em Rimini.No fim da década de 1930, novamente em Rimini, um escritor, em seu leito de morte, despede-se de seu jovem pupilo Federico, lançando maldições. Nos anos 1950, na França, um pacato pai de família, ainda moço e sem problemas financeiros, uma tarde volta mais cedo para casa, mata seus dois filhos a pauladas e, em seguida, atira-se do décimo andar.No dia 1º de maio de 1956, uma estátua do Cristo trabalhador é transportada de helicóptero até uma praça da capital da Itália. Dois anos depois, entre junho e julho, duas crianças têm várias visões de Nossa Senhora, no campo ao redor de Terni.Em setembro de 1958, fotos de Anita Ekberg banhando-se vestida na Fontana de Trevi, ao amanhecer, são publicadas pela revista Tempo. A mesma atriz, desta vez sendo esbofeteada pelo marido Anthony Steel, é assediada pelos flashes dos fotorrepórteres (ainda não se chamavam paparazzi), na Via Veneto.No dia 5 de dezembro daquele mesmo ano, a polícia fecha uma casa noturna de Roma, onde uma dançarina turca apresentou um strip-tease. O escândalo tem as mesmas proporções do que havia sido provocado pela morte de uma jovem, numa casa de campo, durante um festim embalado por drogas, sexo e bebidas alcoólicas.O que esses fatos de crônica têm em comum? Aparentemente, nada. Só que, quando agrupados e enriquecidos com uma série de fotos, algumas recortadas de revistas, constituem o esboço de peças esparsas daquele grande mosaico da sociedade italiana que foi A Doce Vida, de Federico Fellini. O cinquentenário desse acontecimento capital para a cinematografia mundial é comemorado pelo crítico Tullio Kezich com a publicação de Noi Che Abbiamo Fatto ?La Dolce Vita? (Palermo: Sellerio, 2009), edição ampliada do diário das filmagens dessa obra, lançado sob o título de Il Dolce Film, na mesma época em que o longa-metragem estreava.Sem uma trama aparente, A Doce Vida é uma espécie de "jornal filmado" (segundo o próprio cineasta), em que nada acontece a seu protagonista, Marcello (Marcello Mastroianni), a não ser o fato de ser envolvido numa sarabanda caótica, que parece não ter fim.Como assinala Kezich, depois do sucesso de Os Boas-Vidas (1953), A Estrada da Vida (1954) e As Noites de Cabíria (1957), o diretor poderia ter repetido fórmulas já consagradas, mas preferiu arriscar e contar uma nova história, a história do Fellini do presente. Em busca do que ele chamava "atualidade interior", o cineasta, abandonada a ideia de filmar Moraldo in Città - continuação de Os Boas-Vidas -, partiu para a elaboração de um novo argumento, sempre contando com a colaboração de Tullio Pinelli e Flaiano. A questão central, porém, permanecia a mesma: uma longa jornada náusea adentro, que termina com um tênue clarão de esperança.Concebida em meados de 1958, rodada a partir de 16 de março de 1959 e lançada a 6 de fevereiro de 1960, essa obra-prima de Fellini passou por muitas atribulações. Depois da ruptura com Dino De Laurentiis, vários produtores foram sondados, até que Angelo Rizzoli resolveu bancar a empreitada, cujos custos se revelaram bem elevados para a época, mas não exagerados (cerca de 540 milhões de liras). De Laurentiis, além de discordar da escolha de um ator italiano como protagonista, descontente com o roteiro, submeteu-o à opinião de três pessoas ligadas ao cinema, que deram pareceres negativos. Uma delas, Luigi Chiarini, cobrou a falta de "forças sadias" no filme.Embora o argumento tenha sido mantido quase na íntegra, o roteiro sofreu modificações. Ciente de que essa obra seria diferente das outras, Fellini escreveu a 5 de setembro de 1958, numa carta endereçada a Brunello Rondi, um dos roteiristas de A Doce Vida: "Este é um filme impossível de ser escrito, seu ritmo, sua expressão é essencialmente figurativa."Sempre em busca de uma solução melhor, seguindo uma espécie de "roteiro interior", em que ia amadurecendo seu processo de criação, o cineasta experimentava novos enquadramentos e improvisava deixas, adaptando-os às circunstâncias de filmagem, hesitava acerca de alguns personagens, que ainda não lhe pareciam prontos para ganhar vida na tela. Foi o caso de Steiner, mentor de Marcello, que Pinelli, no roteiro, havia esboçado pensando em seu amigo Cesare Pavese (que se suicidou num hotel de Turim, na noite entre 26 e 27 de agosto de 1950), mas que Fellini concebeu a partir de outras motivações.A composição do intelectual suicida e de seu entorno foi cheia de reviravoltas. Por fim, Steiner será o profeta que anuncia uma nova era: sua mente e seu espírito se projetam para o futuro; ele, porém, é incapaz de posicionar-se concretamente na época em que vive. É um ser indefeso, solitário, mas de uma "solidão positiva, cheia de intuições", de uma felicidade fora dos padrões convencionais, vivida em tom menor, num ambiente em que a cultura não era ostentada, como especificava Rondi. A definição do intérprete também foi demorada; por fim, a escolha foi determinada por Pier Paolo Pasolini, que já havia colaborado com Fellini em As Noites de Cabíria. Para o escritor, Alain Cluny não destoaria naquele ambiente de refinada burguesia que estava sendo construído ao redor do personagem.A expectativa criada pelos inúmeros artigos dedicados ao longa-metragem antes da estreia acabou por preocupar seus realizadores; contudo, apesar da grande polêmica que se travou, o público afluiu e o filme transformou-se num enorme sucesso. Embora vários intelectuais tenham se posicionado a favor da produção felliniana, como Alberto Moravia e Pasolini, não foram poucos seus detratores. Roberto Rossellini, à saída da projeção, olhou para Fellini como Sócrates teria olhado para seu discípulo Críton, repentinamente ensandecido, nos dizeres do próprio cineasta, que havia trabalhado com o pai do cinema moderno entre 1944 e 1949. Luchino Visconti, referindo-se à sequência no palácio quinhentista, declarou: "Aqueles são nobres vistos pelo meu criado." Vittorio De Sica considerou o filme "o sonho de um provinciano".A reação da tríade do neorrealismo mostra bem a dificuldade de se aceitar o fim daquele movimento que havia animado a produção peninsular no segundo pós-guerra do século 20. A passagem de uma geração a outra será difícil até para Fellini: tendo fundado a produtora Federiz (em parceria com Rizzoli) em consequência do êxito de A Doce Vida, deixará de financiar Desajuste Social, de Pasolini, O Posto, de Ermanno Olmi, e Bandidos em Orgosolo, de Vittorio De Seta, por não entender a importância dessas obras, as quais, como recorda Kezich, foram saudadas como a renovação do cinema italiano, no Festival de Veneza de 1961.Como era de se esperar, a resposta mais violenta ao filme foi a da Igreja Católica: L?Osservatore Romano, órgão oficial do Vaticano, condenou-o, enquanto, dos púlpitos, os padres lhe lançavam anátemas e no portal de uma igreja de Pádua, uma espécie de anúncio fúnebre convidava a rezar pela alma do pecador público Federico Fellini. Vários intelectuais de esquerda, no entanto, consideraram A Doce Vida uma obra católica.Apesar de ser um retrato minucioso e desencantado da sociedade italiana da época, segundo o cineasta, seu longa-metragem não era nem moralista, nem pessimista:"A Doce vida, para mim, é um filme que deixa uma sensação de letícia, uma vontade enorme de novos propósitos. Um filme que dá coragem, no sentido de saber encarar a realidade com um novo olhar e não se deixar enganar por mitos, superstições, ignorância, baixa cultura, sentimentalismo."Não é Paolina (Valeria Ciangottini), com o seu doce sorriso no fim, a "força positiva" do filme de Fellini, mas a presença luminosa de Anita Ekberg, que, como sublinha Kezich, explode na sequência da Fontana de Trevi, carregada de vitalismo panteístico. Alegria de viver. Doce vida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.