As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Premiados pela APCA

Ubiratan Brasil

14 de dezembro de 2010 | 11h07

Participei, na noite de segunda-feira, de mais uma votação dos melhores do ano pela Associação Paulista dos Críticos de Arte, a APCA. Claro que nem sempre os escolhidos são aqueles que a gente espera, mas acho que a lista foi justa. Eis os eleitos:

Romance: Minha Mãe Se Matou Sem Dizer Adeus, Evandro Affonso Ferreira (Record)
Conto/Crônica: Ficção Interrompida (Uma caixa de curtas), Diógenes Moura (Ateliê
Editorial)
Biografia: Memórias de Um Historiador de Domingo, Boris Fausto (Companhia das
Letras)
Poesia: A Duração do Dia, Adélia Prado (Record)
Tradução: Sigmund Freud, Obras Completas, Tradução de Paulo César de Souza
(Companhia das Letras)
Ensaio/Teoria: Ideologia e Contra Ideologia, Alfredo Bosi – Crítica Literária (Companhia
das Letras)
Infanto-Juvenil: Sou Eu! e O Nervo da Noite, João Gilberto Noll (Editora Scipione)

Fiquei particularmente feliz com a escolha dos poemas de Adélia Prado e do romance de Evandro Affonso Ferreira. Confesso que estava dividido entre a obra dele e as de José Castello (Ribamar) e Cristovão Tezza (Um Erro Emocional). Assim, qualquer um seria, para mim, bem escolhido e o juri (formado também por Dirce Lorimier, Luis Costa Pereira Junior e Sergio Miguez) preferiu o impacto da escrita de Evandro.

É particularmente interessante essa escrita, muito bem trabalhada, que incomoda, que obriga o leitor a interromper a leitura para refletir sobre algumas frases. E que também deixa um ponto de interrogação ao final. Recomendo muito a leitura.

O mesmo se pode dizer de Ribamar e Um Erro Emocional. Castello, além de ser o mais brilhante crítico literário do Brasil, navega com uma incrível tranquilidade na ficção quase memorialística, sabendo dosar bem as qualidades de cada gênero. E Tezza revelou que o retumbante sucesso de O Filho Eterno não o intimidou, criando uma pequena e precisa sonata, em que o ritmo da vida de dois personagens reflete as complicações amorosas de qualquer um de nós. Para mim, esses três livros deveriam figurar em qualquer na lista dos melhores de 2010.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: