As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Novo teatro em São Paulo

Ubiratan Brasil

14 de janeiro de 2012 | 13h30

Falei em Hair e me lembrei que a estreia paulistana era pra ter acontecido há mais tempo e em outro teatro. O musical inauguraria um maravilhoso espaço localizado no Instituto Tomie Ohtake. Sim, maravilhoso pelo que já me disseram: enorme plateia, fosso para orquestra, palco generoso. E a sala de ensaio serve também para abrigar espetáculos menores. Enfim, um espaço ideal para musicais.

O impasse estava na dificuldade em os donos do espaço encontrarem um parceiro que associassem sua marca ao do teatro – algo como o Abril, Bradesco e Folha fizeram, incorporando sua marca ao nome do teatro. Com a demora, Hair acabou indo para o Frei Caneca, outro bom espaço.

Agora, o novo teatro deverá se chamar GEO, que é o nome de uma empresa de produção cultural (está bancando a produção do Priscilla assim como patrocina a vinda do Lollapalooza para São Paulo). E, pelo que me falaram à boca pequena, também terá a participação da Rede Globo, interessada em ter um braço no teatro assim como tem no cinema (Globo Filmes). Vocês já repararam, aliás, como a emissora aumentou suas chamadas de divulgação de peças de teatro? Até o Paulo José é um dos garotos propaganda.

E, se não houver impecilhos, o Teatro GEO deverá inaugurar em em grande estilo em 29 de março com a peça Vermelho, de John Logan, com Antonio Fagundes dividindo o palco com seu filho Bruno e sob a direção de Jorge Takla. O texto se passa no ateliê de Mark Rothko, na New York dos anos 1958-59, e conseguiu vários prêmios internacionais. Ou seja, uma combinação que deve resultar em sucesso. Logo, espero ter acesso aos ensaios para trazer mais detalhes.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.