Musical ‘Cantando na Chuva’ domina festa do Prêmio Bibi Ferreira 2018 com seis troféus
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Musical ‘Cantando na Chuva’ domina festa do Prêmio Bibi Ferreira 2018 com seis troféus

Ubiratan Brasil

26 Setembro 2018 | 22h36

Com seis troféus, o musical Cantando na Chuva se consagrou como o grande vencedor na festa do Prêmio Bibi Ferreira 2018, realizada no Teatro Renault, na noite de terça-feira, 25. O espetáculo foi escolhido como o melhor musical do ano, além de melhor atriz coadjuvante (Claudia Raia), direção (Fred Hanson), versão (Mariana Elisabetsky e Victor Mühletahler), desenho de som (Tocko Michelazzo) e desenho de luz (Cory Pattak). “É o primeiro prêmio que ganho no teatro”, contou, eufórica, Claudia, cuja produtora (Raia Produções) realizou o musical em parceria com a IMM e a EGG Entretenimento.

 

Claudia Raia recebe o prêmio de melhor atriz coadjuvante por ‘Cantando na Chuva’. Foto Náira Messa

Também confessou sua surpresa outra estrela do musical brasileiro, Miguel Falabella, ao receber o troféu de melhor roteiro original por O Som e a Sílaba. “Realmente, eu não esperava por essa vitória”, contou o ator, que participou de diversos segmentos da cerimônia. Foi, de fato, uma noite marcada por momentos tocantes e emocionantes. Como a genuína emoção de Vitor Rocha, premiado como revelação pelo roteiro e música de Cargas D’Água – Um Musical de Bolso, um das mais belas surpresas das últimas temporadas, graças a um texto poético e criativo. “Uma vitória das produções de baixo orçamento”, disse ele, acompanhado de seu balde, personagem do espetáculo.

Em sua 6ª edição, o Prêmio Bibi Ferreira, que foi idealizado pelo produtor Marllos Silva, da Marcenaria de Cultura, acompanha a consolidação do musical brasileiro, gênero em crescimento constante desde 2001, quando Les Misérables inaugurou a sequência de espetáculos montados exatamente como na Broadway, alimentando um público até então silencioso mas sedento por acompanhar tais clássicos em português e em São Paulo. O alto nível de profissionalismo foi mais uma vez constatado com os números musicais dos principais concorrentes, especialmente a premiada coreografia de Alonso de Barros para J. M. Barrie’s Peter Pan.

Vitor Rocha, premiado como revelação pelo original ‘Cargas D’Água – Um Musical de Bolso’. Foto Náira Messa

A originalidade também marcou a cerimônia, como a sátira às audições, momento nervoso mas constante na vida de qualquer artista de musical, marcado mais por negativas que por sucessos. Duas das grandes atrizes da temporada, Amanda Acosta e Débora Reis, interpretaram seus personagens (Bibi Ferreira e Hebe Camargo) como as coordenadoras de audição para produtores – ou seja, uma situação inversa do que realmente acontece. Entre os convidados especiais, estava Renata Alvim, produtora cultural que esteve por trás dos grandes sucessos da Time For Fun, como Wicked, Les Misérables e o atual O Fantasma da Ópera, que tem lotação esgotada até o fim do ano.

Como em outras grandes premiações teatrais pelo mundo, o Bibi Ferreira também homenageou os artistas que morreram na última temporada – o  In Memorian provocou um aperto no coração ao mostrar, por exemplo, imagem das atrizes Juliana Peppi e Beatriz Segall, ao som de Deixe o Sol Entrar (Let The Sunshine), do musical Hair, cantado a capela por oito artistas. Um momento de reflexão sobre a falta que todos já fazem na cena paulistana.

Amanda Acosta e seu prêmio de melhor atriz pela atuação em ‘Bibi – Uma Vida em Musical’. Foto Náira Messa

O encerramento também foi marcante com a apresentação da canção Quem Eu Sou, uma versão de This is Me, do longa O Rei do Show, assinada por Mariana Elisabetsky e cantada por Letícia Soares, Andrezza Massei, com a participação da dupla de MCs e um grupo de 120 atores que realizaram um flash mob emocionante nos dois andares do teatro.

Para o próximo ano, o Prêmio Bibi Ferreira pretende se aproximar do modelo utilizado pelo Tony, nos Estados Unidos: lá, além dos musicais, também as peças sem canções serão premiadas. Para isso, o júri deste ano (formado por Charles Dalla, Jamil Dias, Keila Bueno, Luiz Amorim, Rogério Matias e Ubiratan Brasil) será aumentado por outros profissionais, como Fabiana Seragusa e Miguel Arcanjo Prado.

Veja a lista completa dos vencedores:

MELHOR MUSICAL

CANTANDO NA CHUVA – IMM, Raia Produções e EGG Entretenimento

MELHOR MUSICAL BRASILEIRO

SUASSUNA – O AUTO DO REINO DO SOL – Sarau Agência

 

MELHOR ATRIZ

AMANDA ACOSTA por Bibi – Uma Vida Em Musical

 

MELHOR ATOR

ADRÉN ALVES por Suassuna – O Auto do Reino do Sol

 

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

CLAUDIA RAIA por Cantando na Chuva

 

MELHOR ATOR COADJUVANTE

EDUARDO RIOS por Suassuna – O Auto do Reino do Sol

 

MELHOR DIREÇÃO

FRED HANSON por Cantando na Chuva

 

MELHOR DIREÇÃO MUSICAL

TONY LUCCHESI por Bibi – Uma Vida Em Musical

 

MELHOR COREOGRAFIA

ALONSO BARROS por J. M. Barrie’s Peter Pan

 

MELHOR ARRANJO ORIGINAL

DANIEL ROCHA por Hebe – O Musical

 

MELHOR MÚSICA ORIGINAL

ADRÉN ALVES, ALFREDO DEL PENHO, BETO LEMOS, BRÁULIO TAVARES, CHICO CÉSAR e RENATO LUCIANO por O Auto do Reino do Sol – Suassuna

 

MELHOR CENÁRIO

RENATO THEOBALDO por J. M. Barrie’s Peter Pan

 

MELHOR FIGURINO

THANARA SCHONARDIE por J. M. Barrie’s Peter Pan

 

MELHOR DESENHO DE LUZ

CORY PATTAK por Cantando na Chuva

 

MELHOR DESENHO DE SOM

TOCKO MICHELAZZO por Cantando na Chuva

 

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL

MIGUEL FALABELLA por O Som e A Sílaba

 

MELHOR VERSÃO

MARIANA ELISABETSKY E VICTOR MÜHLETAHLER por Cantando na Chuva

 

MELHOR VISAGISMO

ANDERSON BUENO por Hebe – O Musical

 

REVELAÇÃO

VITOR ROCHA pelo roteiro e música de Cargas D’Água – Um Musical de Bolso

MELHOR MUSICAL – VOTO POPULAR

A PEQUENA SEREIA – IMM E EGG ENTRETENIMENTO