As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

hilary duff

Ubiratan Brasil

04 de setembro de 2011 | 13h39

  Estou no Rio de Janeiro, acompanhando a Bienal do Livro, que sempre traz muitas novidades e é gostosa de visitar e fazer matérias. Voltei de uma coletiva com a escritora Hilary Duff, que vem provocando correrias de fãs. Escrevi o seguinte texto, que logo entrará no Portal Estadão:

Há dois anos, a histeria foi provocada por Meg Cabot. Na  Bienal do Livro do Rio de 2001, a responsável por gritos histéricos e correria de jovens leitores foi outra escritora americana, a também cantora e atriz Hilary Duff. Sua vinda ao Riocentro na manhã do domingo, atraiu inúmeros fãs, o que obrigou os organizadores a montar uma sessão extra de seu batepapo.

  Aos 23 anos, Hilary é também cantora (mais de 13 milhões de discos vendidos no mundo) e atriz (iniciou a carreira na série de TV Lizzie McGuire e fez uma participação oficial em Gossip Girl). Seu livro Elixir (Editora iD) conta a história de Clea, fotógrafa de 17 anos que, depois do desaparecimento do pai em uma missão humanitária, descobre em suas fotos a presença de um jovem misterioso, com quem acaba iniciando uma forte relação.

  “Sempre adorei lei, carrego de 2 a 3 livros em viagens e acabei tentada a escrever quando minha agente me incentivou”, contou Hilary, durante uma entrevista coletiva, antes do encontro com os fãs. “Meu editor sugeriu inicialmente que escrevesse minha biografia mas, depois de pensar, sugeri essa história que me agradava mais.”

  Grávida de poucas semanas (“Ainda não sei se será menino ou menina”), fruto de seu casamento com o jogador de hóquei Mike Comrie, ela vestia um longo escuro que ressaltava o louro de seus longos cabelos. Hilary confessou sua predileção em atuar e cantar ao invés de escrever, mas contou que o processo de trabalho em Elixir foi proveitoso. “Eu me dediquei diariamente à escrita e contei com o auxílio de uma amiga, Elise Allen.”

  Em Elixir, há passagens da trama no Rio de Janeiro, Paris e Japão. “São lugares que conheci pessoalmente e que me deixaram profundamente tocada”, explica ela, que abusou dos clichês quando tratou do Brasil: a paixão dos namorados acontece em uma floresta parecida com a a amazônica, embora a história se passe na capital carioca.

  Hilary ficou impressionada com a quantidade de fãs presentes à Bienal, a ponto de fotografá-los enquanto estava na sala dos autores e logo postar a imagem na rede social. No próximo mês, está previsto o lançamento da continuação do romance, Devoted, que terá ainda uma terceira parte.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: