Grande nome dos musicais, Mateus Ribeiro estreia como compositor
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Grande nome dos musicais, Mateus Ribeiro estreia como compositor

Ubiratan Brasil

13 de novembro de 2020 | 18h55

Os desafios parecem não ter limites para o ator Mateus Ribeiro. Em 2018, ele entrou para a lista Under 30, da Revista Forbes, como um dos jovens com menos de 30 anos mais promissores do país, na categoria Arte/Entretenimento. No ano seguinte, faturou o Prêmio Reverência de Melhor Ator 2019, por Peter Pan – O Musical da Broadway, em que viveu o papel principal. Na mesma temporada, encantou público e crítica pela sua atuação em Chaves, seu 15º espetáculo profissional.

E, em 2020, o ano que marcou a vida de todo o planeta, Mateus iniciou sua carreira solo como compositor com o single João Ninguém, interpretado por ele mesmo. A música foi composta em 2013 e, para o lançamento, um clipe foi gravado entre os meses fevereiro e março passados. Ao lado da atriz Bruna Mascarenhas, ele interpreta a letra em um ambiente lúdico, colorido, especialmente por conta da presença de balões de gás.

Balões. Bruna Mascarenhas e Mateus Ribeiro, no clipe ‘João Ninguém’. Foto Acervo Mateus Ribeiro

São justamente essas bexigas as responsáveis por 85% dos sons percussivos da canção – os outros 10% são sons sintéticos e 5% restantes foram conseguidos com a boca, ao som do beat box feito por Mateus. “O maior investimento foi justamente em bexigas, foram diversos tipos e tamanhos, usados com ou sem gás hélio”, conta Mateus. “Somente na calça que eu uso no clipe, foram quase 1.300 bexigas. Já as mangas que Bruna usa contém quase 500 balões canudos.”

Para a concepção do clipe, aliás, Mateus se desdobrou: além de compor e interpretar a música, ele também produz, assina a criação artística e divide a direção geral com Julio Denig. João Ninguém é o ponto de partida para um trabalho mais ousado, pois Mateus promete lançar mais três faixas neste ano, o que revela sua intenção de investir na carreira musical.

“A ideia é fazer um trabalho que não seja só um produto fonográfico como também visual, com uma concepção artística forte”, explica Mateus, que é empresariado por outro grande nome do teatro musical brasileiro, Tiago Abravanel.

É admirável a forma como Mateus administra sua carreira, enfrentando desafios tanto físicos como de interpretação nos diversos musicais em que atuou, da mesma forma em que envereda agora por uma área competitiva, na qual nem sempre o grande talento é reconhecido.

Tendências: