As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Frankfurt 2013

Ubiratan Brasil

06 Abril 2011 | 12h23

O ano de 2013 parece ainda distante, mas, em alguns aspectos, ele está próximo demais. Eu me refiro à responsabilidade que o mundo editorial nacional tem pela frente, pois o Brasil será o país convidado da Feira de Frankfurt 2013. Por mais que se critique, a oportunidade vale, no mínimo, para vender mais títulos nossos ao exterior.

Mas acredito que é muito mais. 2013 praticamente marca o início da ‘ocupação brasileira’ no noticiário mundial, o que deverá persistir por mais alguns anos graças à Copa de 2014 e à Olimpíada do Rio em 2016. Será uma imensa e contínua vitrine em que negócios poderão ser fechados, impulsionando a economia e também a cultura.

A responsabilidade em Frankfurt será grande. Meu grande temor é que o evento seja politizado, transformando nosso pavilhão num balaio de gatos, satisfazendo favores e descaracterizando nossa identidade cultural. Não podemos repetir, por exemplo, o erro da Argentina no ano passado, que colocou a foto da presidenta entre as grandes personalidades daquele país. Me perdoe madame Cristina, mas ainda lhe falta muito para chegar aos péde Borges ou Cortázar…

Outro erro a ser evitado é o não uso da tecnologia – o estande argentino baseou-se eum uma boa ideia, o labirinto borgiano, mas a execução foi rústica, com muito texto, desanimando qualquer visitante. É preciso imaginação e bom uso da tecnologia para conseguir um resultadono mínimo satisfatório. Basta lembrar da maravilhosa exposição sobre Fernando Pessoa, que esteve em cartaz em SP no Museu da Língua Portuguesa e que agora está no Rio. Ali está um belíssimo exemplo de interatividade tecnológica.

Também a escolha dos autores que estarão presentes e/ou serão representados em Frankfurt precisa ser criteriosa e estar acima de interesses de editoras. Felizmente, temos uma quantidade muito grande de escritores acima da média, que precisam ser lembrados.

Enfim, é uma tarefa que deve unir governo, entidades culturais, editoras e suas representações de classe. O que me deixa mais tranquilo é que a coordenação está com Galeno Amorim, que entende bem do riscado e tem boas ideias e intenções. Que ele possa trabalhar em paz.