As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

God Save ‘The Crown’

Nova aposta da Netflix promove uma imperdível imersão na vida da família real

Pedro Venceslau

07 de novembro de 2016 | 20h16

Logo de cara, a série The Crown, que está disponível de fio a pavio desde sábado na Netflix, chama atenção pela opulência. Nunca antes na história do serviço de streaming uma atração custou tão caro.

Estima-se na mídia especializada que a épica e ainda inacabada história da rainha Elizabeth II tenha recebido um investimento de cerca de 100 milhões de libras (ou cerca de R$ 402 milhões). A superprodução esbanja figurantes, figurinos e cenografia.

Nada está fora do lugar. A reconstituição de época é impecável, bem como o elenco. A segunda impressão é que estamos começando uma relação promissora. The Crown começa em 1947 quando a então princesa tinha 25 anos e um longo passado pela frente.

Como sabemos, a soberana completou recentemente 90 anos. Pelo que se divulgou, serão pelo menos seis temporadas com 10 longos episódios cada.

Ou seja, vamos envelhecer um pouco junto com Elizabeth ano a ano até pelo menos 2021, quando ela terá 96 anos.

Difícil prever se a saga manterá um nível regular até lá, mas a estreia foi arrebatadora. Há uma longa lista de motivos para assisti-la.

Para quem gosta de biografias, The Crown apresenta um retrato irretocável de Winston Churchill. Aos 85 anos, ele se reelege primeiro – ministro pouco antes da morte de George VI e da coroação de sua filha mais velha.

Apesar da idade avançada, o político conservador mantém velhos hábitos como fumar um charuto atrás do outro e despachar com a secretária tomando whisky submerso em uma banheira de água quente na residência oficial.

O todo poderoso líder britânico da segunda -guerra ainda é perspicaz e arrogante, mas obviamente já não tem mais a mesma energia. Para não passar recibo, ele luta contra as limitações da idade. Winston sabe que os adversários internos querem usá-la para derrubá-lo.

A morte do rei, que era amigo pessoal do primeiro – ministro, deixa Churchill sem chão. Ele não confia na jovem Elizabeth, que vê como imatura para assumir o trono.

A performance da rainha, aliás, é outro ponto forte. Elizabeth começa tímida, apagada e na sombra do marido militar. Com a morte do pai, é obrigada de uma hora para outra a se reinventar.

A mudança faz com que todos aqueles que conviviam com Lilibeth em pé de igualdade sejam obrigados a se enquadrar nos novos rituais e liturgias do “cargo”.

Para o marido, que até então representava o papel de macho alfa, esse cenário é especialmente difícil.

The Crown é, enfim, uma verdadeira imersão no universo da família real.

Mais conteúdo sobre:

The CrownElizabeth IIsérie