As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Aquarius e a desobediência civil na sala de cinema

Muitas sessões do filme Aquarius terminaram com a plateia em coro gritando “Fora Temer”.

Pedro Venceslau

04 Setembro 2016 | 17h35

Se houve algum tipo de articulação prévia eu desconheço, mas a sessão das 19hs20 de sábado (3) do filme Aquarius no Caixa Belas Artes, em São Paulo, terminou com a plateia em coro gritando “Fora Temer”.

O cinema estava completamente lotado. Os ingressos já estavam esgotados pelo menos meia hora antes do começo da exibição. Não vi na fila da pipoca e do ingresso nenhum sinal de militância organizada.

Ninguém estava usando camiseta do PT ou com o rosto de Dilma Rousseff, Lula ou Che Guevara estampado. Mas nas conversas paralelas que antecedem o apagar das luzes muita gente lembrou das polêmicas recentes evolvendo o longa de Kleber Mendonça Filho com Sonia Braga.

Na última delas, o Ministério da Justiça recuou e diminuiu a classificação indicativa de 18 para 16 anos. Na primeira, em maio, a equipe do longa constrangeu Temer internacionalmente ao levantar, no tapete vermelho de Cannes, cartazes com os dizeres: “um golpe ocorreu no Brasil”, “Resistiremos” e “Brasil não é mais uma democracia”.

Amigos, colegas e conhecidos relatam que os gritos contra Temer se repetiram em outras salas de várias cidades. Os defensores do impeachment de Dilma que hostilizam o filme e defendem seu boicote estão colaborando muito para o seu sucesso.

Para muita gente, Aquarius virou um tipo de desobediência civil.