Tas repudia era da 'photoshopização', no Encontro Estadão & Cultura

Estadão

12 de agosto de 2010 | 10h00

Humoristas criticam veto a piada com candidatos.

“Estamos vivendo a era da ‘photoshopização’ da vida. Tudo tem de ser bonitinho, sem palavrão e sem celulite”: a conclusão é de Marcelo Tas, jornalista, ator e atual âncora do programa CQC, da Band, sobre os esforços legislativos ou de militâncias diversas que conspiram por um mundo tão politicamente correto, que chega a ser fake. A frase surgiu ontem, durante a abertura de mais uma edição da série Encontros Estadão & Cultura na Livraria Cultura. O tema da vez são os 60 anos da TV no Brasil.

Por mais de 1h30, Tas e Márcio Ballas, do grupo Jogando no Quintal e apresentador do É Tudo Improviso, também da Band, divertiram uma plateia predominantemente jovem que lotou o Teatro Eva Hertz. O tema do dia foi o humor.

Ao citar a obsessão da nossa era por patrulhas ideológicas, Tas falou sobre a lei que veta palmadas nas crianças e o caso de um juiz que proibiu a mãe de batizar a filha com o nome “Amora”. Mestre em humor de improviso, Ballas tem esperança de que o gênero possa contribuir para reverter tantas exigências. “O improviso traz à tona algo falível.”

A pergunta mais encaminhada aos dois pela plateia dizia respeito à proibição do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a piadas referentes aos candidatos nesta época de eleição. Para Tas, sem meio termo, isso é uma forma de “censura”. “Nem quando eu fazia o (repórter) Ernesto Varela (personagem dos anos 80) havia tanta intromissão, e olha que o presidente era o (João) Figueiredo”, completou Tas.

A aceleração da internet no Brasil, que dá a Tas e Ballas um ibope até maior que a TV, também foi assunto do encontro.

Os Encontros Estadão & Cultura terão hoje Ana Paula Padrão, Lillian Witte Fibe e Paulo Markun, com foco no jornalismo e amanhã, o autor de novelas Silvio de Abreu: sempre às 13h, no Teatro Eva Hertz (Livraria Cultura do Conjunto Nacional).

* Texto extraído do caderno Vida&, do Estadão.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: