"Só há um assassino", diz Silvio de Abreu

Estadão

14 de dezembro de 2010 | 22h26

 

Silvio de Abreu no palco do CCBB. Foto: Tota Paiva

O autor Silvio de Abreu disse hoje, ao final de uma palestra que acabou há pouco no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), no centro do Rio, que muita coisa ainda vai acontecer nessa reta final da novela das 9 da Globo, Passione. “Vocês vão ficar doidinhos”, provocou, brincando com os que tentavam, a todo custo, arrancar-lhe alguma informação que pudesse esclarecer algum mistério da trama.

Diante de tanta insistência, Silvio acabou revelando que os dois assassinatos misteriosos ocorridos na novela – de Eugênio (Mauro Mendonça) e Saulo (Werner Schunemann) – foram cometidos por uma única pessoa. “Uma morte é consequência da outra, e as duas estão interligadas”, adiantou, contando ainda que Schunemann voltará a gravar e terá muitas cenas de flashback. “Ainda tem muita coisa relacionada a ele para explicar.”

Segundo o autor, ainda não está decidido se haverá um esquema especial para tentar driblar o assédio da imprensa e o “tráfico de capítulos” que podem comprometer o suspense em torno do último capítulo da novela, que vai ao ar em 14 de janeiro. No caso da morte de Saulo, que foi ao ar em outubro, ele escreveu cenas falsas em que outros quatro personagens eram mortos. Agora, ele precisa finalizar apenas os cinco últimos capítulos. “O desfecho vai ser gravado no dia (da exibição)”, disse, revelando que, por enquanto, nem a diretora Denise Saraceni sabe quem é o assassino misterioso. “Só eu sei. Se eu morrer antes…”, brincou.

Sobre a já anunciada morte da personagem Diana (Carolina Dieckmann), que durante toda a novela foi bastante criticada na internet, o autor disse que resolveu separá-la do seu par romântico, Mauro (Rodrigo Lombardi) para fazer algo diferente. “Por que toda novela o mocinho tem de terminar com a mocinha? “, questionou, citando clássicos do cinema como E O Vento Levou e Casablanca. “Acho que ela morrer é uma coisa bonita. Final bom é o que surpreende”, resumiu.

Numa palestra que repassou sua trajetória de mais de 30 anos como autor, dentro do ciclo A História da Telenovela, Silvio deu alguns detalhes sobre seu próximo trabalho, o remake do megasucesso Guerra dos Sexos, de 1983. Segundo ele, o projeto deve ir ao ar em 2012. A grande questão, disse, escalar os dois protagonistas, Charlô e Otávio, que, no original, foram interpretados por Fernanda Montenegro e Paulo Autran. Quando questionado se a dupla Glória Pires e Tony Ramos estava nos planos, ele explicou que ela não tem a idade compatível com Charlô – que, na trama, é até avó. E Tony, está dentro? “Tony sempre está dentro!”, respondeu, meio enigmático

Pouco antes, vale registrar, a cena antológica de café da manhã em que Charlô e Otávio se atiram comida foi exibida no telão e aplaudida de pé pela plateia que lotou o teatro do CCBB.

Tudo o que sabemos sobre:

PassioneSilvio de Abreu

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: