CQC? Não, Legendários

Estadão

26 de março de 2010 | 15h35

Crédito: Daia Oliver/R7

Crédito: Daia Oliver/R7

A Record apresentou na manhã de hoje o que será o aguardado Legendários. O programa criado e dirigido por Marcos Mion, que bolou até as fantasias que os 13 integrantes usarão, estreia no próximo dia 10 abril, um sábado, às 21h45.

Em apresentação à imprensa, Mion exibiu, na íntegra, um dos quadros da atração: um em que João Gordo investiga casos de corrupção. Lembrou do Proteste Já, do CQC?

O ex-VJ da MTV, que chamou a antiga emissora de “tosca” e disse que a Record “dá até helicóptero para fazer matéria”, encarna um marronzinho da CET para denunciar o excesso de multas que os motoristas paulistanos recebem. Enquanto ele entrevista anônimos nas ruas, o grafismo visual invade a tela. São números que surgem pelo asfalto, gráficos interativos e, pasmen, os mesmos efeitos visuais das reportagens do CQC. Em certo momento, João escorrega sozinho – é a deixa para uma mão de mentira surgir na tela e atirar uma casca de banana na cena.

A cada transição de gravação externa, pipoca na tela o logo do programa, tal qual a mosca dos homens de preto. Para finalizar, João Gordo persegue o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab. Detalhe:  tanto o autor das intervenções gráficas do CQC quanto o produtor de Proteste Já estão em Legendários.

Mion justifica que nada que surge na TV é 100% original. Durante a coletiva, ele alternou momentos de humildade (“a gente quer fazer um programa do bem, sem humilhar ninguém”) com estalos de impressionante alta estima. Também abusou de metáforas futebolísticas: “me sinto um pai levando o filho ao futebol pela primeira vez, pra tomar umas bicas.” “A gente nunca faria um gol se cada um de nós não tivesse a sua própria posição. Somos uma quadrilha, uma legião.”

O programa promete ter uma interessante plataforma multimídia, com transmissão ao vivo também no site da Record. João Gordo, aliás, ganhou a mamata de ficar em sua casa comentando a atração ao vivo pelo portal R7. O resto do grupo, que inclui o paraquedista Gui Pádua, a ex-BBB Jaque Khury, os humoristas Miá Mello e Marcelo Marron, e os ex-MTV Felipe Solari, Mionzinho, Elcio Coronato e a trupe do Hermes e Renato (cujo novo nome será decidido pelo público) irão apresentar o programa e usarão o Twitter ao mesmo tempo.

É claro que não dá para analisar Legendários a partir de um simples quadro. O “Proteste Já de João Gordo” foi engraçado, teve boas tiradas. Mas,  para um programa que se gabou nos últimos três meses de apresentar um novo tipo de humor para a TV brasileira, a impressão inicial foi de mais do mesmo.

Quem não deve ter achado isso foram os vários funcionários da Record que preencheram os assentos vazios da plateia dedicada à imprensa. Eles aplaudiam e batiam os pés no tablado com entusiasmo quando qualquer frase de efeito era disparada pela equipe de Mion.

Na boa? Não precisava.