Nestor Carbonell, o Richard, fala sobre episódio 'Ab Aeterno', de 'Lost'

Estadão

06 de abril de 2010 | 14h49

Em cena de Lost que vai ao ar hoje, 21h, no AXN, Richard e Jacob

Em cena de Lost que vai ao ar hoje, 21h, no AXN, Richard e Jacob

‘Ab Aeterno’, o melhor episódio deste último ano de ‘Lost’ até agora, vai ao ar hoje, às 21 h, no AXN. O 8.º capítulo traz respostas há tempos aguardadas pelos fãs. A partir do passado de Richard Alpert, o personagem que nunca envelhece, o público descobre quem são Jacob e o Homem de Preto e entende, mais claramente, o que é a ilha. Ao ‘Estado’, Nestor Carbonell, ator que dá vida a Richard, conta mais sobre Ab Aeterno e comenta o que os fãs podem esperar do desfecho da série, que acaba em especial com três horas de duração.

Estado: Como foi ter um capítulo só para Richard Alpert?
Carbonell: Foi uma tremenda experiência e não acho que deveria ter havido outro capítulo para ele. Gostei de ser esse personagem misterioso. Nesse episódio, descobrimos coisas sobre o poder da ilha e deste homem, com toda a tragédia que a ilha lhe trouxe. Não sabia que iriam dedicar um episódio inteiro para ele e fiquei muito feliz.

Estado: Como você construiu um personagem sem saber nada sobre ele?
Carbonell: Usei minha imaginação para construir Richard, mas não tinha nada a ver com o que ele é realmente (risos). Achei que tivesse nascido na ilha, que não envelhecer era uma propriedade da ilha. Criei uma história falsa, mas acreditei nela (risos).

Estado: Quando você saiu de Lost  para ir a Cane, você imaginava que Richard seria um personagem tão importante? Por que, como fã, eu tinha certeza e fiquei meio chocada quando você partiu!
Carbonell: Desculpe (risos)! Adorava o personagem, mas os produtores não podiam se comprometer comigo, pois não sabiam se usariam ou não o personagem. Tenho família e tive de escolher. Cane tinha um grande elenco e mostrou a primeira família latina no horário nobre em uma grande rede de TV. Mas fiquei feliz que eles desenvolveram meu personagem e essa tem sido a aventura da minha vida.

Estado: Como você se sentiu quando leu o roteiro do episódio?
Carbonell: Adorei, porque pegaram um personagem místico e transformaram sua história em algo muito pessoal.

Estado: Se você fosse roteirista, qual seria o fim de Lost e quem seria o substituto de Jacob?
Carbonell: Quem você gostaria que fosse?

Estado: Alguém inesperado…
Carbonell: Vou ser honesto, não li todo o roteiro, porque não temos as últimas páginas, mas será revolucionário. Fiquei feliz com quem eles escolheram para ser o substituto de Jacob, mas não sei se é a resposta final.

Estado: O que mais te fazer falta em Lost?
Carbonell: Trabalhar em roteiros como os que tive o luxo de trabalhar. É incrível! São roteiros que quebraram barreiras na TV e vou sentir falta desta experiência enquanto processo criativo.

Atenção! Episodio 15. “Quando recebi o roteiro dos últimos capítulos, só havia a minha parte. Só depois nos deram o roteiro completo, mas sem as últimas páginas. Nem mesmo os diretores têm essas páginas. Mas a parte que li é incrível. Há outro episódio mais para frente que está ótimo e entra na mitologia da série. É o capítulo 15, com respostas grandes para os fãs”, diz Carbonell. 

Tendências: