Um adeus

Estadão

27 de setembro de 2010 | 19h14

petronio.JPG

O teatro e o mundo perderam hoje um companheiro de todas as horas. Petronio Nascimento de Oliveira faleceu nesta manhã, aos 58 anos, levando consigo um pedacinho do teatro impossível de ser preenchido. Ficam a saudade distante de sua Uberaba natal; de seus comparsas da Companhia do Feijão, grupo que integrava desde 2002 (e com quem fez espetáculos memoráveis como Mire Veja, Pálido Colosso e Veleidades Tropicaes, entre outros); de seus antigos — e eternos —  alunos do Teatro Escola Macunaíma e do Teatro Escola Célia Helena; de todos os que dividiram com ele tantos palcos e coxias (além de ator, era também diretor e cenógrafo), amigos; e de todos os que o conheceram, pessoalmente ou em uma de suas peças, já que vê-lo num palco era como que tornar-se conhecido de longa data. Perde o teatro, perdemos todos nós.

O velório acontece a partir das 21h na sede da Companhia do Feijão, à Rua Teodoro Baima, 68.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.