Enrique Diaz joga luz sobre a alteridade

Maria Eugênia de Menezes

19 Julho 2010 | 10h00

otro01_380

Duas eram as estreias nacionais programadas para esta edição do FIT Rio Preto. Uma delas, Marcha para Zenturo, é o trabalho concebido em parceria do grupo XIX com o Espanca!. A segunda é OTRO, trabalho do diretor Enrique Diaz, com o Coletivo Improviso. A peça, que já havia passado por uma curta temporada no Rio de Janeiro, chegou a São Jose do Rio Preto em versão reformulada. Criada a partir de um processo coletivo OTRO mescla ficção a um trabalho de pesquisa de observação nas ruas do Rio de Janeiro. Em cenas aparentemente fragmentadas, que se alternam sem uma ordem linear, a peça lança um olhar para a questão da alteridade, jogando luz sobre nossas limitações na hora de conviver e observar outras subjetividades.

otro02_380

O espetáculo vem de uma turnê internacional. Já passou pelo Japão, Bélgica, alemanha e Áustria. Até outubro deste ano, deve ser visto também na Itália, na França, na Holanda e Suíça.

otro03_380