O lado chauvinista dos rapazes de Liverpool

O lado chauvinista dos rapazes de Liverpool

Os Beatles sempre passaram (ou procuraram passar) uma imagem de bons meninos. Mas cometeram seus delizes e foram machistas em várias de suas letras. Fizeram-se de injustiçados por garotas que não souberam reconhecer suas boas intenções, foram traídos e passados para trás. E foram além. Em alguns versos confessam terem batido na mulher e até ameaça de morte fizeram. No fim, redimiram-se, optaram ela paz e cantaram All You Need Is Love.

Carlos de Oliveira

31 de maio de 2016 | 16h35

Prefiro vê-la morta, menininha

a vê-la com um outro homem.

Melhor correr por sua vida, menininha.

Se pego você com outro homem

será o seu fim, menininha.

A ameaça de morte estampada na estrofe acima não foi feita por nenhum maníaco possessivo, mas por um músico tido como um defensor da paz e do amor, um autointitulado sonhador, o beatle John Lennon. Em tempos de machismo escancarado e de violência extrema contra a mulher, surpreende ver que a banda inglesa também cometeu seus pecados, a maioria veniais, é verdade, mas alguns bem mortais.

Os Beatles quase sempre cantaram o amor. Mas cometeram seus deslizes e mostraram seus lados machistas em algumas canções.

Os Beatles quase sempre cantaram o amor. Mas cometeram seus deslizes e mostraram seus lados machistas em algumas canções.

Absurdos – Run For Your Life foi escrita às pressas por Lennon e foi por ele considerada “descartável”, seu pior trabalho, o que não serve de desculpa. Primeira música a ser gravada para o álbum Rubber Soul, lançado em dezembro de 1965, a faixa destoa das demais composições e bem que poderia ter sido descartada. A letra é um absurdo atrás de outro.

John diz:

Você sabe que eu sou um sujeito mau,

que nasci com uma mente ciumenta.

Não posso passar a vida toda

fazendo você andar na linha.

E mais:

Tome isto como um sermão

e reafirmo tudo o que disse.

Eu estou determinado

e prefiro vê-la morta.

Ameaça de morte – Para tornar as coisas ainda mais antipáticas para John Lennon, certos versos de Run For Your Life foram copiados de Baby, Let’s Play House, uma gravação de Elvis Presley lançada em 1955. A letra foi escrita em 1954 por um certo Arthur Gunter, de 28 anos, filho de um pastor de Nashville, que também não foi original, já que inspirou-se em I Want To Play House With You, música de 1951, gravada pelo cantor country Eddy Arnold.

Em meio a vários baby, baby e um outro tanto de come back, Elvis lança uma sentença de morte sobre sua amada e canta a frase que seria copiada na íntegra por Lennon dez anos mais tarde:

I’d rather see you dead, little girl,
Than to be with another man.

Ouça Baby, Let’s Play House, com Elvis Presley:

Ouça Run for Your Life, com os Beatles:

Vingança – Engana-se quem pensa que letras machistas dos Beatles tenham se resumido a Run For Your Life. Antes dessa música, outras composições mostraram que os rapazes de Liverpool tinham lá suas fantasias de vingança, como em I’ll Cry Instead. Rejeitado pela namorada, o personagem da música afirma que um dia voltará. Nesse dia, vai quebrar o coração de todas as garotas ao redor do mundo, mostrando-lhes do que é capaz. Até lá, entretanto, diz que vai chorar, o que não o livra da pecha de vingativo.

Diz a música:

…you’d better hide all the girls
Cos I’m gonna break their hearts all ’round the world
Yes, I’m gonna break them in two
And show you what your loving man can do
Until then I’ll cry instead.

Ouça I’ll Cry Instead com os Beatles:

Agressões – Em 1967, no álbum Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band, os Beatles incorporam um personagem maldoso e violento na música Getting Better. Ele admite que costumava ser cruel com sua mulher, que batia nela e que a mantinha afastada das coisas que ela amava. Diz que as coisas estavam melhorando, mas não deixava claro se deixara de ser um ogro agressor. Anos mais tarde, John e Paul explicaram Getting Better: Paul, com seu bom-mocismo, pelo menos para o público externo, teria sido responsável pelos versos otimistas.

It’s getting better  (está melhorando) era uma expressão sempre usada pelo baterista Jimmy Nicol, que em junho de 1964 substituiu Ringo Starr, doente, durante uma excursão internacinal da banda. Teve de aprender a ser um beatle em poucas horas e a tocar em shows desde a Dinamarca até a Austrália. Ao fim de cada apresentação John e Paul perguntavam como ele estava se sentindo e Nicol sempre dava a mesma resposta: “Esta melhorando”.

“Sou violento” – Os versos mais obscuros da música foram escritos por John, como os que falam sobre ser rebelde na escola e sobre bater na esposa. Perguntado sobre isso, respondeu:”Sou um homem violento que aprendeu a não ser violento e se arrepende da própria violência. Eu acredito sinceramente em paz e amor.”

Diz a música:

I used to be cruel to my woman I beat her
And kept her apart from the things that she loved
Man, I was mean but I’m changing my scene
And I’m doing the best that I can.

Ouça Getting Better com os Beatles:

Outras músicas da banda, por mais inocentes e/ou adolescentes que possam parecer, têm uma certa dose de mau caráter e até de ameaça. É o caso, entre outras canções, de You’re Gonna Lose That Girl, na qual um amigo alerta o outro sobre sua namorada. E diz: “Se você não sair com ela esta noite eu farei isso e você vai perdê-la”. E vai além: “Vou levá-la para longe. Do jeito que você a trata o que mais eu posso fazer?”

Ouça You’re Gonna Lose That Girl, com os Beatles:

Pouco antes do fim do grupo, em 1970, os Beatles selaram um pacto com o amor, como atestam canções gravadas no Álbum Branco, em Abbey Road e Let It Be. Anos antes, All You Need Is Love talvez tenha sido a reconciliação de Lennon com os seus melhores sentimentos.

Ouça All You Need Is Love, com os Beatles: