“Magic Alex”, um presente de grego para os Beatles.

“Magic Alex”, um presente de grego para os Beatles.

Yanni Alexis Mardas, um grego que consertava televisões, conviveu com os Beatles entre 1965 e 1969. Dizia-se um inventor e fez promessas mirabolantes à banda. Construiria um disco voador a partir dos motores dos carros de George e de John. Faria os Beatles levitarem. Construiria uma mesa de gravação com 72 canais. Falou em furar o crânio dos quatro músicos para liberar seus olhos interiores. O máximo que fez foi construir uma 'Nothing Box' que, como o nome dizia, não servia para nada. Mesmo assim, foi financiado pela banda e teria torrado o equivalente hoje a 12 milhões de reais. Foi demitido da Apple em 1969 e estaria vivendo na sua Grécia natal. Lendas do rock.

Carlos de Oliveira

02 Março 2015 | 08h33

Dizem que é possível enganar uma pessoa por algum tempo, mas impossível enganar muita gente durante todo o tempo. Essa fórmula, entretanto, não se aplica totalmente a um certo técnico de televisão chamado Yanni Alexis Mardas, um grego que durante a fase psicodélica dos Beatles agiu como uma espécie de guru para assuntos eletrônicos (e outras coisas mais) da banda.

'Magic Alex', de bolsa a tiracolo ao lado de John Lennon, em uma de muitas viagens com os Beatles.

‘Magic Alex’, de bolsa a tiracolo ao lado de John Lennon, em uma de muitas viagens com os Beatles.

John ficou encantado com a 'Nothing Box', um invento de Alex: oito luzinhas coloridas que piscavam.

John ficou encantado com a ‘Nothing Box’, um invento de Alex: oito luzinhas coloridas que piscavam.

Com um magnetismo pessoal inversamente proporcional à sua competência com o movimento dos elétrons, Magic Alex prometeu construir traquitanas mirabolantes para os quatro beatles: um disco voador, um sol artificial, a invisibilidade, a levitação e outras xaropadas, como veremos mais abaixo. Prometeu, mas nunca entregou. Nem poderia. Apesar dos tempos loucos em que viviam, até a loucura, mesmo que generosamente permitida e financiada, tem seus limites.

Chegada – Num belo dia de 1965, Mardas chegou à Inglaterra com um visto de estudante e alguma habilidade para consertar televisores. Vinha da Grécia, onde nascera em 1942. Era conhecido de John Dunbar, dono da Galeria Indica, onde,tempos antes, John Lennon havia conhecido Yoko Ono. A Indica era uma galeria famosa por promover concorridos eventos culturais, alguns de qualidade duvidosa como a Kinetic Light Sculptures, do próprio Mardas. Apresentado a Brian Jones, guitarrista dos Rolling Stones, Mardas foi foi apresentado a Lennon.

Seduzir o beatle foi fácil. Com a percepção alterada pelas drogas (John estava dependente de heroína), o beatle ficou fascinado com uma bizarra “invenção” de Mardas: a Nothing Box , uma caixinha de plástico com uma alça no topo e oito luzinhas coloridas que piscavam aleatoriamente.

Lennon e o cantor e compositor escocês Donovan no casamento de 'Magic Alex'.

Lennon e o cantor e compositor escocês Donovan no casamento de ‘Magic Alex’.

Ascensão – A admiração de John por Mardas foi crescendo e chegou ao auge quando este lhe prometeu construir um super estúdio de gravação, com uma mesa de 72 canais. Vale lembrar que as mesas de gravação da época tinham modestos quatro canais e os avanços nessa área eram ainda incipientes.

Foi o que bastou para John levá-lo aos demais beatles, rebatizá-lo de Magic Alex, elevá-lo à categoria de seu novo guru e premiá-lo com o cobiçado cargo de chefe da Apple Electronics, um dos braços da Apple, a empresa multimídia recém-criada pelos Beatles na Saville Row.

Desconfiança – Alex foi bem recebido pela banda e passou a ser financiado em seus devaneios eletrônicos. Mas nem tudo eram flores para o “mágico”. Com exceção dos quatro beatles, o resto do pessoal da Apple via o jovem grego com uma boa dose de desconfiança e alguma antipatia. Nos bastidores, taxavam-no de incompetente e perdulário. Nada do que ele propunha funcionava. O prometido estúdio não saía da teoria e rios de dinheiro estavam sendo desperdiçados, embora, aparentemente, a gastança não estivesse preocupando os Beatles. Alex agia com carta branca e trânsito livre.

Os Beatles com o Maharishi: acusado de assediar sexualmente Mia Farrow em sua escola na Índia.

Os Beatles com o Maharishi: acusado de assediar sexualmente Mia Farrow em sua escola na Índia.

Cynthia Lennon, acusada de se relacionar com o italiano Roberto Bessanini.

Cynthia Lennon, acusada de se relacionar com o italiano Roberto Bessanini.

Fofocas – Tão livre que seguiu os Beatles a seu retiro em Rishikesh, na Índia, onde ficava a escola de meditação transcendental do Maharishi Maheshi Yogi .

Foram dias de muita elevação espiritual e de algumas fofocas creditadas diretamente a Mardas.

Reza uma das lendas do rock que o grego, enciumado com as promessas de dinheiro e a atenção dispensada por Lennon ao Maharishi, teria plantado a informação de que o guru indiano andava se assanhando e jogando charme sobre as garotas em retiro, entre elas a atriz norte-americana Mia Farrow. Verdadeira ou não, a fofoca envenenou o ambiente e até o crente George Harrison, discípulo fervoroso do Maharishi, decidiu deixar a Índia e retornar a Londres.

Cynthia – Mais sórdida ainda é a lenda (ou verdade) que envolve o pedido de divórcio de  John Lennon de sua mulher, Cynthia Powell. Tão logo voltaram da Índia, e a pedido de John, Alex teria seguido Cynthia até a Itália e reportado ao beatle um suposto affair da esposa com o italiano Roberto Bessanini.

Cynthia negou qualquer envolvimento, mas John quis o divórcio, fazendo-se de vítima. Essa atitude de Lennon foi desleal e oportunista, pois  nessa época ele já estava bastante envolvido com Yoko Ono e decidido a se separar. Cynthia sabia desse e de muitos outros casos do então marido. Tempos depois, já divorciada, Cynthia casou-se com Bessanini.

'Magic Alex

‘Magic Alex”, com seu jaleco branco, às voltas com um de seus inventos na Apple.

Trapalhadas – A mesa de som prometida por Mardas ficou encalhada no porão da Apple e Geoff Emerick, engenheiro de som dos Beatles, em seu livro Here, There and Everywhere, disse que a vendeu por cinco libras para uma loja de produtos usados, “o dobro do que ela valia realmente”. Emerick, um profissional brilhante oriundo da EMI britânica, ficava profundamente incomodado com as trapalhadas de Mardas.

Desde o início, o novo estúdio dos Beatles seria construído no porão do prédio da Saville Row. Mas na ânsia de montar tal mesa de 72 canais, Magic Alex instalou o recinto de gravação próximo demais da central de aquecimento do edifício, onde as caldeiras faziam muito barulho. Resultado: tudo teve de ser refeito, até porque a mesa de som nunca foi concluída.

“Olho interior” – Como o espaço no porão era pequeno, Emerick, sobre quem, de fato, pesava a responsabilidade de construir o estúdio da Apple,  reivindicou uma instalação adicional e ela foi montada na London Place, uma rua mais para o lado do Hyde Park. De quebra, despachou para lá o Magic Alex, livrando-se de suas maluquices. “Alex estava fora de minha vista, escondido em Boston Place, fazendo qualquer coisa para passar o tempo com seu jaleco branco e inventando qualquer coisa inútil”, revelou um Emerick aliviado.

Mardas sempre rejeitou o rótulo de inconsequente, mas muitas de suas bizarrices foram relatadas pelos próprios beatles. É de Ringo Starr o seguinte relato: “Ele dizia que nós deveríamos ter nossas cabeças perfuradas. Isso chama-se trepanação. Magic Alex dizia que se nós fizéssemos isso, libertaríamos nosso terceiro olho interior e imediatamente passaríamos a ter uma visão cósmica”.

'Magic Alex' negou que iria construir um disco voador para os Beatles. George Harrison confirmou.

‘Magic Alex’ negou que iria construir um disco voador para os Beatles. George Harrison confirmou.

Lista – As invencionices de Mardas sempre foram motivo de risos ou de ranger de dentes no final dos anos 60, mas ganharam notoriedade em 2008, depois que o New York Times o chamou de “charlatão”.  Em seu processo contra o jornal, Mardas, negou que tivesse proposto uma série de loucuras aos Beatles, relatando-as em uma lista de 11 hilariantes tópicos.

Sua defesa:

“Eu nunca prometi nem discuti, muito menos tentei inventar qualquer um dos seguintes ítens:

1) uma câmara de raios-X que permite ver através das paredes;

2) um campo de força capaz de cercar um prédio com ar colorido, para que ninguém pudesse vê-lo;

3) um campo de força de ar comprimido capaz de impedir uma pessoa de dirigir um carro;

4) uma casa que pudesse pairar no ar, suspensa por um feixe invisível;

5) um papel de parede no qual se pode ligar a um aparelho de som e operar como um alto-falante;

6) um sol artificial que  pairaria sobre a Baker Street e iluminaria o céu durante a abertura de gala da loja de roupas dos Beatles, a Apple Boutique, em 4 de dezembro de 1967;

7) uma pintura mágica que tornaria os objetos invisíveis;

8) uma pintura elétrica que, conectada a uma parede, iluminaria o quarto;

9) um disco voador feito a partir dos motores da Ferrari de George Harrison e do Rolls Royce de John Lennon;

10) um campo de força em volta da bateria de Ringo Starr que a isolaria do resto dos microfones do estúdio;

11) além disso, nego qualquer sugestão de que prometi os Beatles fazê-los levitar usando eletromagnetismo e também fazê-los desaparecer”. 

Confirmado – As loucuras negadas por Mardas já haviam sido confirmadas por Paul McCartney e George Harrison, durante a elaboração do projeto Anthology, nos anos 90.

Paul: “Ele pensou em usar papel de parede que agiria como alto-falantes.”

Ringo: “Magic Alex inventou a pintura elétrica. Você pinta sua sala de estar, liga na tomada e as paredes acendem.”

George: “Eu ia dar a ele o motor V-12 da minha Ferrari Berlinetta. John ia dar-lhe o motor de seu Rolls Royce. Alex disse que com esses dois motores ele poderia fazer um disco voador.”

Quando confrontado com essas declarações, Mardas disse que gostaria de saber de onde os Beatles haviam tirado essas ideias e por que as atribuía a ele.

Mardas foi demitido da Apple em 1969, contra a vontade de John Lennon e de Yoko Ono: muitos prejuízos.

Mardas foi demitido da Apple em 1969, contra a vontade de John Lennon e de Yoko Ono: muitos prejuízos.

Epílogo – A história de Magic Alex com os Beatles acabou em 1969, quando ele foi demitido da Apple, sob protestos de John e Yoko. Suas loucura já teriam dado à empresa um prejuízo de 300 mil libras o que hoje equivaleria a cerca de três milhões de libras, algo como 12 milhões de reais. Nos anos 70, o “mágico” demitido dedicou-se a inventar equipamentos contra o terrorismo, à blindagem de carros e à produção de vários outros equipamentos de segurança. Teria tido alguns bons clientes. Um deles teria sido o rei Abdullah, da Jordânia. Hoje Mardas estaria se dedicando ao ramo do turismo na sua Grécia natal.