Eric Clapton: ‘Deus’ está doente e luta para tocar sua guitarra.

Eric Clapton: ‘Deus’ está doente e luta para tocar sua guitarra.

Eric Clapton revela padecer de doença irreversível do sistema nervoso e que luta para tocar sua guitarra. "É como receber choques elétricos".

Carlos de Oliveira

11 de junho de 2016 | 12h19

Aos 71 anos, o lendário Eric Clapton,  um dos mais competentes e festejados guitarristas do mundo, chamado de Deus nos anos 60, acaba de revelar que sofre de uma incurável doença que provoca danos irreparáveis em seu sistema nervoso. Em matérias publicadas hoje em jornais ingleses, entre eles o Daily Mail e o The Telegraph, Clapton revelou  que luta para tocar o instrumento que fez seu nome.

“Tive muitas dores ao longo do último ano. Começou com dores nas costas que progrediram para uma neuropatia periférica. Hoje sinto como se levasse choques elétricos que correm por baixo de minhas pernas”, disse Clapton à revista Classic Rock. “Além disso – prosseguiu Clapton – tive de descobrir como lidar com algumas outras coisas próprias de quando ficamos velhos. ”

 

Eric Clapton, chamado de Deus nos anos 60, diz estar com danos irreversíveis no sistema nervoso.

Eric Clapton, chamado de Deus nos anos 60, diz estar com danos irreversíveis no sistema nervoso.

Maior drama- O guitarrista inglês vive agora um de seus maiores dramas. Na verdade, ele sempre viveu no limite e várias vezes declarou estranhar o fato de ainda estar vivo. Foi pesadamente dependente de álcool, da cocaína e da heroína durante as várias fases de sua carreira junto à banda de John Mayall, ao Cream (o primeiro super grupo do rock), e o Blind Faith.

Depois de uma fase de quase ostracismo, mergulhado na droga, Clapton ressurgiu como um coadjuvante no Dire Strait. Aos poucos reabilitou-se e construiu uma sólida carreira solo, além de uma clínica para a recuperação de dependentes na ilha caribenha de Antígua, a Crossroads.

“Por ainda estar em recuperação do alcoolismo e da dependência de substâncias químicas, considero que é uma grande coisa estar vivo. Por alguma razão, fui arrancado das garras do inferno e me foi  dada outra oportunidade”, disse Clapton.

“A vida é boa” – “Eu ainda posso tocar. Mas tocar tem sido um trabalho duro, às vezes. Refiro-me ao lado físico. Estou ficando velho e isso é duro. Mas eu ainda gosto de tocar. Sento-me num canto de nossa sala, pego uma guitarra e toco na parte da manhã. À tarde eu descanso”, disse Clapton à Classic Rock.

O guitarrista, que acaba de lançar I Still Do, seu 23º álbum, disse que o novo CD está longe de ser um adeus à sua carreira e que o título é apenas uma homenagem aos amigos, aos familiares e aos  músicos que tocaram com ele nos últimos anos. Apesar da doença progressiva, Clapton não se mostra abatido. “A vida é boa comigo”, disse.

Ouça Old Love com Eric Clapton, em show no Royal Albert All, realizado em 1990:

 

A doença – Compêndios de medicina informam que a neuropatia periférica “é uma condição que afeta os nervos periféricos responsáveis por encaminhar informações do cérebro e da medula espinhal para o restante do corpo. A neuropatia periférica pode causar danos permanentes aos nervos, sendo muitas vezes um problema incapacitante e até mesmo fatal”. Suas causas podem ser as mais variadas, mas muitas pessoas desenvolvem a doença pelo uso excessivo de álcool, uma condição que não seria estranha a Clapton.

 

Tudo o que sabemos sobre:

Eric Claptonneuropatia periférica

Tendências: