Com colheradas de amor, The Lovin’ Spoonful foi a melhor resposta americana aos Beatles.

Com colheradas de amor, The Lovin’ Spoonful foi a melhor resposta americana aos Beatles.

Em 1965, os americanos inventaram os Monkees para dar uma resposta dos Estados Unidos aos Beatles. A banda até que fez sucesso. Eram quatro rapazes engraçados. Não iam muito além disso. Em Nova York, nesse mesmo ano, nascia uma outra banda formada por músicos talentosos que nunca quiseram rivalizar com os Beatles, mas foram respeitados por eles, servindo até de inspiração para os ingleses. Com boas melodias e letras inteligentes, o Lovin' Spoonful fez sucesso junto ao público jovem e mais intelectualizado. John Sebastian, um de seus fundadores, continua na ativa aos 72 anos.

Carlos de Oliveira

31 de agosto de 2016 | 08h18

O Lovin' Spoonful: rock'n'roll com sotaque country e folk, com belas melodias e letras inteligentes.

O Lovin’ Spoonful: rock com sotaque country e folk, com belas melodias e boas letras.

A segunda metade dos anos 60 foi de intensa e justificável preocupação para a indústria fonográfica norte-americana. A chamada “invasão britânica”  – comandada por bandas como Beatles, Rolling Stones, Kinks, Hollies e tantas outras – ocupava espaço nas rádios, TVs e lojas de discos e drenava fortunas da América para a Inglaterra. Era necessário lançar um contra-ataque.

Os Monkees, banda fabricada a partir de um anúncio de jornal.

Os Monkees, banda fabricada a partir de um anúncio de jornal.

Anúncio da NBC em busca de

Anúncio da rede NBC em busca de “quatro garotos malucos” para nova série de TV.

“Malucos” – Em 1965, a rede NBC colocou um curioso anúncio  nos jornais procurando “quatro malucos entre 17 e 21 anos para estrelar uma nova série de TV”. Ao todo, 437 candidatos se apresentaram e depois de um período de testes foram selecionados o músico country Mike Nesmith, o multi-instrumentista Peter Tork, o ator e cantor Micky Dolenz e o cantor e ator inglês Davy Jones.

Nasciam os Monkees, uma banda inventada para enfrentar os Beatles nos EUA. Fizeram sucesso, é bem verdade. Tiveram 25 álbuns no mercado, entre discos de estúdio, ao vivo, coletâneas e piratas. Mesmo assim, sem desmerecê-los, como músicos, foram bons cômicos.

Em pouco tempo o Lovin' Spoonful gravou cinco álbuns e conquistou o público universitário.

Em pouco tempo o Lovin’ Spoonful gravou cinco álbuns e conquistou o público universitário.

Admiração – Menos comercial ou artificial, mas comprometido com boas melodias e letras inteligentes, havia nos Estados Unidos um outro grupo que, sem rivalizar com os Beatles, ganhou a admiração dos músicos ingleses. Também em 1965, incentivados por Mama Cass Elliot (que mais tarde integraria o Mamas and the Papas), o guitarrista canadense Zal Yanovsky, o vocalista John Sebastian, o baixista Steve Boone e o baterista Joe Butler fundaram o Lovin’ Spoonful. O nome da banda eles tomaram emprestado da música Coffee Blues, de Mississippi John Hurt (1892-1966).

 

…my baby packed her suitcase and she went away

I couldn’t let her stay for my lovin’, my lovin’ spoonful…

 

Som peculiar – O Spoonful tinha um som peculiar, em boa parte devido à boa combinação de estilos musicais. A banda conseguia unir folk, country, blues e rock com a boa guitarra de Yanovsky e gaita e a harpa de Sebastian. Yanovski era um virtuoso e seu estilo era peculiar. Tocava sua guitarra Guild S-200 Thunderbird com palhetas de metal nos dedos da mão direita, um recurso típico de quem toca banjo.

Baseados no Village, em Nova York, o Spoonful foi pioneiro no circuito universitário americano e lançou sucessos nacionais como Do You Believe In Magic, Daydream, Summer in the City, Lonely, She Is Still a Mystery, Didn’t Wan to Have to Do It e muitos outros.

Ouça Do You Believe In Magic, de 1965, uma declaração de amor ao rock’n’roll:

Ouça Summer In the City, de 1966, um dos maiores sucessos do Spoonful:

Ouça a romântica Didn’t Want To Have To Do It, também de 1966:

Ouça Lonely, de 1967, talvez a música mais conhecida do Lovin’ Spoonful por aqui, num soberbo solo de gaita por John Sebastian:

Ouça She Is Still A Mystery, de 1967, outro sucesso do Lovin’ Spoonful:

George Harrison e John Lennon com os músicos do Spoonful no Marquee Club, em Londres.

George Harrison e John Lennon com os músicos do Spoonful no Marquee Club.

 

Paul McCartney deixa O Marquee Club com o álbum ........, do Spoonful nas mãos.

Paul McCartney deixa o Marquee com o álbum ‘Hums Of The Lovin’ Spoonful’ nas mãos.

Com os Beatles – A música do Lovin’ Spoonful chegou à Inglaterra e a banda americana foi tocar no Marquee Club, em Londres, onde foi recebida por George Harrison, John Lennon, Paul McCartney e por Eric Clapton. Os Beatles gostavam do Spoonful, a ponto de Paul admitir que Good Day Sunshine, do álbum Revolver, ter sido inspirada em Daydream.

Em 1967, flagrado com maconha e forçado a entregar seu fornecedor, Zal Yanovsky deixou a banda e acabou voltando para o Canadá, onde dedicou-se à sua segunda paixão: a culinária. Tornou-se chef de cozinha e dono de restaurante. Só anos mais tarde retornaria ao mundo da música.

John Sebastian: na ativa aos 72 anos.

John Sebastian: na ativa aos 72 anos.

Woodstock – John Sebastian deixaria o Spoonful em 1968. No ano seguinte, já em carreira solo, seria uma das atrações do festival de Woodstock. Com Sebastian e novos integrantes, o Spoonful voltaria à cena e em 1999 a banda lançaria o álbum Live At The Hotel Seville.

Em 2000, a formação original do Spoonful foi levada ao Rock and Roll Hall of Fame. Dois anos depois, Zal Yanovsky morreu de um ataque cardíaco em Kingston, Canadá. Aos 72 anos, vivendo em Woodstock (estado de Nova York), John Sebastian continua compondo, cantando e acreditando em mágica.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Tendências: