Pequenina, mas cumpridora

Pequenina, mas cumpridora

De repente, um ícone do blues, a cigar box guitar (ou guitarra de caixa de charuto) caiu nas mãos e no gosto de músicos famosos como Paul McCartney, Keith Richards (dos Stones) e Andy Summers (do Police). Era o que faltava para que um instrumento antigo, nascido da falta de dinheiro e da improvisação, ganhasse status e virasse mania. Abaixo, um pouco da história passada e recente dessa guitarrinha intrigante. Você até pode fazer a sua.

Carlos de Oliveira

21 de julho de 2014 | 10h58

Paul McCartney toca sua guitarra de caixa de charuto no concerto 12/12/12, em Nova York

No dia 12/12/2012, no Madison Square Garden, em Nova York, os maiores nomes do rock reuniram-se em um concerto beneficente às vítimas do furacão Sandy, que em outubro do mesmo ano devastou grandes áreas do Nordeste norte-americano e regiões do Caribe. O espetáculo foi transmitido ao vivo via rádio, televisão e internet para todo o planeta, rendendo ainda um DVD, um CD e um documentário. Entre os muitos astros, The Who, Bruce Springsteen, Bon Jovi, Eric Clapton, Billy Joel, The Rolling Stones, Roger Waters e Eddie Vedder. Para fechar o concerto, dois sobreviventes do Nirvana (Dave Grohl e Krist Novoselic)  auxiliados por  Pat Smear, do Foo Fighters e Paul McCartney.

O show foi um grande sucesso e cumpriu seus objetivos. Mas aos primeiros acordes de Cut me some slack, composta por Paul, Grohl e Noboselic, o ex-Beatle surgiu no palco com um instrumento estranho pendurado no ombro: uma cigar box guitar ou cigfidlle, mais exatamente uma guitarra feita com uma pequena caixa de charutos. Mínima, um tanto desajeitada, com quatro cordas e braço muito fino (em comparação com instrumentos convencionais), seu som era demolidor, tremendamente distorcido. Intrigante num primeiro momento, Paul McCartney, a bem da verdade, não exibiu nenhuma grande novidade.

Pode-se dizer que a guitarra de caixa de charuto é fruto da criatividade de americanos em tempos de crise. Em tese, popularizaram-se por volta de 1930, durante a Grande Depressão, embora já fossem populares entre comunidades negras pobres do Sul dos Estados Unidos. Bluseiros de renome, entre eles Blind Willie Johnson, começaram suas carreiras com uma delas. Ícone do blues, tosca, simples, pequenina (mas cumpridora), a guitarra de caixa de charutos original é artesanal, feita em casa, com o material que se tiver à mão. O objetivo é fazer som. Não há regras, medidas, gabaritos, padrões, manuais ou coisas do gênero. A caixa de ressonância vem do recipiente dos charutos, quase sempre em madeira simples. O braço pode ser um cabo de vassoura ou algo semelhante. Quantas cordas? Uma, duas, três, quatro, seis… quantas quiserem ou couberem. Podem ser acústicas ou eletrificadas, com captadores simples e baratos. O importante é o som.

Steven Tyler, do Aerosmith: guitarrinha sempre à mão

Paul Simon, que também aderiu às “cigar box guitars”

O ator Johnny Depp com sua “cigfidlle”

Claro que a cigar box guitar usada por Paul McCartney no concerto 12/12/12 não era assim tão tosca nem caseira. Reabilitada por músicos famosos e tida como um desafio a ser encarado, o instrumento que nasceu pobre sofisticou-se e, hoje em dia, também é fabricado por luthiers que cobram bem caro por ele. Entre os construtores estão Martty Baratto (Baratto Guitars) e Kurt Schoen (schoenguitars.com). Eles fazem instrumentos top de linha para personalidades como Paul, Andy Summers (ex-Police), Steven Tyler (Aerosmith), Paul Simon (cantor), Johnny Depp (o ator tem uma banda de rock), Keith Richards (Rolling Stones), Billy Gibbons (ZZ Top), para citar alguns exemplos.

 

Faça você mesmo

 

Minha “hand made” guitarra de caixa de charuto: boa sonoridade

Agora, para quem gosta de desafios musicais, nada melhor do que construir sua própria guitarra de caixa de charutos. Há mais ou menos um ano fiz a minha, com quatro cordas e eletrificada. Funciona muito bem. Para a ressonância, uma caixa de charutos Habanos. Braço e as tarrachas vieram de um velho ukulele. No tampo superior, um captador de primeira linha, um Gibson PAF Zebra, mas poderia ser qualquer outro.

Para controle do volume, um potenciômetro velho de 500 k e dois pequenos ralos de pia para decorar o tampo. Sem obedecer a medidas padronizadas, a afinação fica, às vezes, um pouco difícil. Mas nada que um preguinho sob as cordas, agindo como um microafinador, não resolva. Basta plugar em um amplificador e tocar.

 

Caso alguém queira se aventurar, aí vão alguns links que poderão ser úteis:

 

http://www.thecavanproject.com/paul-mccartney-cigar-box-guitar-revisted/

Three-string custom box guitar

Four-string custom box guitar

Two-string bass custom box guitar

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: