Violência

Violência

Oscar Quiroga

22 de novembro de 2012 | 23h13

Às 23h13 de quinta-feira 22-11-12 a Lua que cresce ingressou em Áries e está em conjunção com Urano, quadratura com Marte e Plutão, e sextil com Júpiter até 23h36 de sexta-feira 23-11-12, horário de verão de Brasília. No mesmo período, Marte e Urano em quadratura.

A violência meticulosa e intencionalmente planejada é privilégio de nossa humanidade, fato que a eleva (ou rebaixa?) a uma categoria excepcional dentre todas as possíveis na criação, pois, sendo capaz de aliar inteligência aos impulsos destrutivos se converte numa arma letal que, uma vez fomentada e ciente do prazer sinistro que pode adquirir mediante essa prática se dedica a repetir incessantemente a ação, sendo cada vez mais e mais proficiente em sua atividade.

Isso fazem indivíduos, pequenos grupos e países inteiros que, convencidos de que só através da força militar poderiam proteger-se e se impor ao mundo, não medem esforços para planejar violências cada vez mais sofisticadas para intimidar seus supostos inimigos.

Sim, nossa humanidade comprova mais uma vez que é no seio de sua espécie que se combina a mais elevada virtude com a mais baixa abjeção, e vai tentar você dormir todos os dias com uma ambiguidade dessas na alma!

O período anterior incentivou a elevação, mas este atual, em particular, dá rédeas soltas ao que de mais cruel e violento haja em estado seminal, encontrando a chance de germinar.

No seio das casas, nas ruas, dentro de cada pessoa, raios e trovões, terremotos e ruídos infernais se fazem ouvir em alto e bom som, infundindo temor.

Porém, o temor principal é o de cair na tentação de permitir que o mais abjeto em nós tome as rédeas de nossas personalidades, pois quem pairar acima disso e transformar a violência em firme vontade de dominar seus próprios impulsos, medo algum sentirá, mas compaixão por essa humanidade que, francamente, não sabe o que faz.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.