Tudo bem?

Tudo bem?

Oscar Quiroga

30 de maio de 2012 | 07h47

Às 7h47 de quarta-feira 30-5-12 a Lua que cresce ingressou em Libra e está em oposição a Urano e quadratura com Plutão até 22h54, horário de Brasília. No mesmo período, Mercúrio e Marte em quadratura.

Está tudo bem, mas nada está bem, assim anda o mundo, tentando freneticamente produzir notícias alentadoras enquanto na prática não há governo no mundo que não esteja correndo atrás do prejuízo.

Porém, o que em princípio poderia parecer um panorama absolutamente desesperador é, ao contrário, uma gestação de esperança como “nuncantesnahistóriadomundo” se viu.

É que graças ao decaimento total do sistema que domina a circulação de recursos e consequente prosperidade se poderá, finalmente, erguer um sistema mais justo, ainda que imperfeito.

Por isso, os respingos que você experimentar dessa decadência não devem, de forma alguma, se transformar em objeto de desespero; precisam ser encarados como convites para você inovar da forma que estiver ao seu alcance, contando com que esse alcance se enraíza na participação colaborativa que aos poucos substitui o processo de competição desenfreada que tornou nosso planeta miserável, uma exceção cósmica.

Dificilmente lerão estas linhas as pessoas que fazem parte da turma que chora e range os dentes porque não criou condições mentais que permitam enxergar a grandeza que está em marcha, elas só conseguem ver a calamidade, e nem sequer valeria a pena mostrar estas palavras a elas, porque seriam objeto de mofa e sarcasmo.

Deste lado de cá, da turma dos buscadores dos novos instrumentos e da integração espiritual do mundo dos negócios com a realidade cotidiana, devo afirmar categoricamente que só há motivo de celebração, independente de nada ter, ainda, mudado concretamente.

O único cuidado, agora, é não entrar em rota de colisão com a outra turma, a dos raivosos desesperados, porque eles e elas ainda têm força suficiente para criar muitos tropeços.

Próximo boletim será publicado às 22h54 de 30/5/12

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.