Sem retorno

Sem retorno

Oscar Quiroga

17 de junho de 2012 | 21h13

Das 21h13 de domingo 17-6-12 até 0h16 de terça-feira 19-6-12, horário de Brasília, a Lua quase Nova de Gêmeos está em quadratura com Marte e trígono com Saturno.

Se você não quer que a coisa saia do controle e fique infinitamente mais séria do que o imaginado, então não comece nenhuma briga durante este período.

Porém, se você anda com o “….” na Lua e quer mandar tudo para o inferno, então comece a briga agora mesmo e que os aspectos astrológicos lhe sirvam de suporte para que as coisas, uma vez enviadas ao inferno, não sejam devolvidas ao remetente.

Ah, sim! Porque tem isso, que a coisa fique séria e que essa seja sua intenção não vai combinar nem um pouco com depois você se arrepender e querer que tudo volte atrás.

O que for colocado em marcha durante este período não voltará atrás nem sob tortura, se agarrará à mão de ferro do destino e seguirá seu curso inexorável.

Por isso a coisa toda se resume à iniciativa que for tomada neste período.

A tendência desse clima invisível que paira sempre ao nosso redor, acima, embaixo e por dentro também, que chamamos de “astral”, é que não sejam os nossos melhores pensamentos os que ocupem nosso tempo, mas aqueles de natureza baixa, que seria melhor exorcizar, mas que ainda encontram ninho em nossos interiores.

As moléculas de energia cósmica seguem atrás dos pensamentos de nossa humanidade, lhes brindando com suporte e combustível para se realizarem.

Pensar bem o tempo inteiro é muito difícil, às vezes somos tomados por esse humor categoricamente pesado e nos deliciamos com imaginações de duvidosa reputação e, quando caímos em nós mesmos, recuperando o juízo, vemos que tomamos iniciativas nada reputáveis.

Por isso, pelo menos mantenha registro consciente de tudo que você pensar, dizer e fazer durante este período, não vá ser que por pura inconsequência, e achando que tudo é inofensivo, você comece uma briga que, depois, adquira uma dimensão que saia do seu controle e cujas consequências você não queira assumir, porque nunca teria imaginado chegar tão longe.

Sob pressão constante e com a infelicidade pesando nas costas, grande parte de nossa humanidade se tornou perigosa, um bicho selvagem preparado para “dar o bote” a qualquer momento, mas como carecemos dos instintos afiados para funcionarmos de acordo com nossas naturezas, esse “bote” selvagem pode tranquilamente ser dado em cima de quem não o merecer, e nem mesmo de você realmente precisar dá-lo.

Enfim, deu para perceber que este período, que é longo, não vai ser nada fácil?

Próximo boletim será publicado às 0h16 de 19/6/12

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.