Saudade do momento perfeito

Oscar Quiroga

30 de março de 2012 | 14h48

Das 14h48 de sexta-feira 30-3-12 até 19h12 de sábado 31-3-12, horário de Brasília, a Lua de Câncer completa a fase quarto crescente em sextil com Júpiter e trígono com Mercúrio. No mesmo período, Marte em quincunce com Urano, Vênus em quincunce com Saturno.

Nossa humanidade tem saudade do momento perfeito que uma vez experimentou e que marcou sua consciência por toda a eternidade.

Os psicanalistas optam por fazer referência a esse momento perfeito na história da libido e do desenvolvimento psicológico decorrente dos relacionamentos afetivos familiares, especialmente no que tange aos filhos com os pais. Parece que esse momento perfeito seria o oceano de integração corporal e psíquica de quando estamos no útero.

Há, porém, outro momento perfeito, o da paixão, o instante em que não há margem para críticas ou descontentamento, a alma se entrega devotamente ao ser amado no instante em que sente esse impulso e não é detida por pudores, temores nem quaisquer outras limitações.

Ainda há outro momento perfeito que se pode experimentar, chamado de epifania, é o instante em que inesperadamente e através de fatos corriqueiros a alma entende uma verdade transcendental e se unifica momentaneamente com o Divino, participando intensamente da divindade, se identificando com ela, sendo Uma só com a Divindade.

Certo é que independente de o momento perfeito ser animal, humano ou Divino, a alma de nossa humanidade está com uma saudade enorme de experimentar essa perfeição.

Observando ao redor, contemplamos um montão de complicações e constrangimentos que nos distanciam do momento perfeito, mas não vale desistir, pois mesmo que o momento perfeito dure apenas um segundo, seus efeitos perduram por toda a eternidade, porque essa perfeição é a própria eternidade.

Próximo boletim será publicado às 19h12 de 31/3/12

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: