Revolução íntima

Revolução íntima

Oscar Quiroga

19 de abril de 2014 | 22h28

 

Às 22h28 de sábado 19-4-14 a Lua que míngua ingressou em Capricórnio e está em quadratura com Urano, conjunção com Plutão, oposição a Júpiter, quadratura com Marte, sextil com Vênus e Saturno, e quadratura com Mercúrio até 20h21 de segunda-feira 21-4-14, horário de Brasília. No mesmo período, Sol ingressa em Touro, Júpiter em quadratura com Urano e oposição a Plutão, Urano e Plutão em quadratura.

A normalidade na qual buscas aconchego e sossego não existe mais, isso cria uma condição excepcional que te obriga a fazer uso de tua humanidade, criando condições que a natureza não oferece, tirando da esfera potencial essas condições e, por meio de teu empenho, fazê-las existir.

O mundo como o conheces não se sustenta mais, mas não te apresses a celebrar o fim do mundo, essa dinâmica atual é muito mais complexa do que o simplório desejo de fim do mundo.

Afinal, o mundo não é uma entidade desvinculada de tua presença, o mundo existe porque nossa humanidade o inventou, o sustenta e também o destrói, quando deixa de servir às suas necessidades.

As necessidades humanas mudaram muito e o fizeram em tempo recorde, criando condições bizarras, no qual temos de testemunhar ideologias e comportamentos, não apenas pessoais como de países inteiros também, que não encontram mais fundamento em visão alguma, são formas de manifestação da inércia apenas.

Como tudo isso é algo distante, porém próximo e íntimo ao mesmo tempo, não é de admirar-se que tenhas grande dificuldade de entender qual seria a parte que te toca em tudo isso.

Alguma parte há para desempenhares, e apesar de toda a sofisticação e apesar de tua singularidade também, a grosso modo dá para desenhar o seguinte panorama. Tu podes desempenhar uma parte conservadora, porém essa palavra também se aplicaria aos que se pensam desempenhando grandes reformas, só que o coração deles e delas se agarra firmemente a ideologias que não têm mais nada a oferecer, a não ser conservar as coisas como estão. Tu também podes desempenhar uma parte verdadeiramente revolucionária, mas precisas entender que a real revolução que está em andamento não é política, é uma revolução íntima, é a revolução de mudares tanto teus pontos de vista e opiniões que do passado não reste mais nada.

A revolução íntima é a parte que te toca desempenhar neste momento de tua vida, a despeito de o mundo à tua volta estar se desintegrando e requerer que também cumpras com tuas obrigações cotidianas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.