Realidade

Realidade

Oscar Quiroga

28 de abril de 2014 | 11h23

 

Às 11h23 de segunda-feira 28-4-14 a Lua ingressou em Touro para completar sua fase NOVA e eclipsar o Sol em sextil com Netuno conjunção com Mercúrio, trígono com Plutão, sextil com Júpiter, oposição a Saturno e sextil com Vênus até 12h53 de quarta-feira 30-4-14, horário de Brasília. No mesmo período, Mercúrio em trígono com Plutão e sextil com Júpiter.

A busca de nossa humanidade por riquezas materiais desenha um labirinto muito, mas muito intrincado que, por uma questão meramente civilizada, chamamos de realidade.

Nessa realidade cada ser humano se acomoda da forma que bem entender, ou que puder entender, ou que quiser entender.

Algumas pessoas se acomodam na idéia de que as riquezas lhes são negadas, que há uma conspiração das “elites” no mundo que as exclui das riquezas e, ressentidas, tentam convencer outras almas a se sublevar contra aquilo, e se dedicam a conspirar em alguns cantos obscuros do labirinto, fazendo desses suas moradias, nunca tentando ir além desses.

Outras pessoas se divertem no labirinto, explorando novas possibilidades; há ainda as que tomam posse de determinados trechos do labirinto e declaram ser as donas do pedaço, cobrando pedágio das que por ventura passarem por aí; e ainda haverá outras que, fartas de dar voltas e mais voltas e enxergar mais do mesmo no labirinto, procuram ardentemente conhecer o que está além.

Há uma lista infindável de possibilidades de se acomodar no labirinto e nesse passar existências inteiras, todas as formas, porém, dão voltas e mais voltas no mesmo labirinto.

E o labirinto, enquanto isso, é dinâmico, nunca tem a mesma forma, hoje está aqui, amanhã é diferente, mas a maior parte do tempo funciona como uma roda da fortuna, ora eleva alguns para, um dia, distante ou próximo, os enterrar e esmagar.

Aqueles que do labirinto escaparam afirmam com voz suave, porém, firme: os muros do labirinto são feitos de desejos e esses, como os instrumentos eficientes de pedreiros, moldam a visão da realidade e do mundo, mutilando a vastidão do Universo para se circunscrever a apenas o que pretendem ver.

Enquanto concentrares a força de teus desejos na busca de riquezas materiais, movimento que é legítimo e divinamente autorizado, terás o labirinto para te movimentares, pois comungarás na dimensão onde teus semelhantes fazem o mesmo.

O dia em que devolveres a força de teus desejos aos seus verdadeiros donos, transformando teus desejos em aspirações, te elevarás acima do labirinto e enxergarás teus semelhantes brincando de se perderem na frenética tentativa de se encontrarem.

Tudo isso é possível, tudo isso acontece, tudo isso está em marcha neste exato instante em que lês estas linhas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.