Por uma vida menos ordinária

Por uma vida menos ordinária

Oscar Quiroga

09 de junho de 2013 | 13h17

 

Às 13h17 de domingo 9-6-13 a Lua NOVA ingressou em Câncer e está em trígono com Saturno e Netuno, e conjunção com Vênus até 7h28 de segunda-feira 10-6-13, horário de Brasília.

Agora irrompe a voz interior que exige perfeição, aquela que abomina a indolência porque reconhece que essa conduz tudo à mediocridade.

A exigência interior de mais intensidade, mais beleza, a de encher os sentidos com informações relevantes.

Tudo isso de acordo com o alcance do entendimento que cada ser humano tiver desenvolvido, é claro. Para alguns mais beleza e intensidade significará navegar vertiginosamente por sites de pornografia, para outros contemplar a beleza das obras artísticas dos grandes mestres, entre um e outro extremo a informação por trás dos bastidores é a mesma, nossa humanidade quer viver uma vida menos ordinária.

Nem sempre nossa humanidade consegue isso, às vezes em busca de superar o ordinário ela se torna mais ordinária e grosseira ainda, mas afortunadamente esses são casos isolados.

Que falta não faz uma paixão numa hora dessas!

Pois a paixão é um dos momentos perfeitos que nossa humanidade sabe estar ao alcance de suas experiências. O detalhe apenas consiste em que a paixão não pode ser programada, ou acontece espontaneamente, ou simplesmente não é paixão.

Porém, talvez a memória de paixões de outrora sirva também para saciar, neste momento, a busca por algo sublime, por algo perfeito.

E que não venha sua mente a martelar a “terapeuticamente correta” recomendação de que seria melhor não buscar a perfeição para não correr o risco de sentir inferior ou de se frustrar, pois em nome de uma vida menos ordinária valerá sempre a pena de se inferiorizar ou de se frustrar eventualmente, para um dia, pelo menos por um fugaz instante, constatar que a perfeição é possível e disponível.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.