Perfeição possível

Perfeição possível

Oscar Quiroga

20 Fevereiro 2013 | 07h46

Às 7h46 de quarta-feira 20-2-13 a Lua que cresce ingressou em Câncer e está em trígono com Netuno, quadratura com Urano e oposição a Plutão até 5h43 de quinta-feira 21-2-13, horário de Brasília. No mesmo período, Sol e Netuno em conjunção.

Afirmam que a perfeição é humanamente impossível e que todos deveríamos, por isso, nos conformar com menos, muito menos do que esse objetivo, que definem ser inatingível.

Porém, o Universo é perfeito e nós somos parte integrante desse, que não é uma dimensão distante e inatingível, mas uma condição disponível para experimentação consciente.

Há algo errado, muito equivocado na afirmação de que nossa humanidade deveria se acostumar com a mediocridade e que a melhor intenção possível seria acostumar-se com essa, já que a perfeição lhe seria vedada.

Cada ser humano imagina o que imagina com perfeição, idealiza o mundo que deseja experimentar e se no caminho se perde e distorce as coisas, isso não deveria servir de motivo para diminuir a capacidade humana de se integrar à perfeição, haja vista tantos exemplos históricos que ficaram plasmados em obras perfeitas.

Nivelar por baixo não é interessante, pois ainda que isso supostamente nos livre de nos sentirmos diminuídos e frustrados, argumento que na prática se prova inútil, já que vivemos diminuídos e frustrados assim mesmo, melhor mesmo seria nivelar por cima para termos capacidade de ter sempre em mente que a perfeição é, sim, possível no mundo humano.

Certamente a perfeição dá mais trabalho, requer empenho e, principalmente, a persistência que não se importa em trabalhar durante décadas em nome do ideal.