Perder a cabeça

Perder a cabeça

Oscar Quiroga

27 de maio de 2013 | 12h50

Das 12h50 de segunda-feira 27-5-13 até 15h42 de terça-feira 28-5-13, horário de Brasília, a Lua que míngua em Capricórnio está em trígono com Marte.

Perder a cabeça? Sempre possível, uma experiência nada agradável para quem a testemunha, porém, também é desagradável para quem a experimenta, já que no momento pode até parecer grandiosa, imbuída de glória, mas depois virá a reflexão e a constatação de terem se dito inverdades.

Por isso, ao perder a cabeça, fazer o possível para recuperá-la e recolocá-la em seu devido lugar o mais rapidamente possível.

Muito provavelmente, depois do fato haverá cacos espalhados por tudo quanto é lado, alguns impossíveis de serem consertados novamente, haverá questões relativas à dinâmica do relacionamento que não poderão voltar a ser como antes.

Isso servirá para compreender a necessidade futura de maior contenção.

Enquanto isso, temos o que temos, uma vida submetida a opressões e constrangimentos, e não haveria verdadeira razão para julgar com severidade quem perde a cabeça e toma atitudes desproporcionais que nada solucionam e tudo complicam.

Aqueles que julgam com severidade nem imaginam que lá na frente estarão na mesma posição de quem é alvo de suas severidades, e que pedirão misericórdia do mesmo jeito que a ouvem na atualidade e a negam.

Porém, ninguém deve deixar de ser quem é por medo do futuro, do castigo, ou por quaisquer recompensas.

Nossas investigações espirituais que nos conduzem a nos tornarmos pessoas melhores induzem a que experimentemos nossos vícios e virtudes com intensidade, para no campo de batalha subjetivo reconhecer a verdade.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.