Pensamento mágico

Pensamento mágico

Oscar Quiroga

04 de agosto de 2012 | 00h16

4-8-12 – sábado – Das 0h16 até 20h17, horário de Brasília, a Lua que míngua em Peixes está em quadratura com Júpiter e quincunce com Marte. No mesmo período, Mercúrio e Netuno estão em quincunce.

Todo projeto de poder, toda resolução é, em última instância, identificar e certificar na consciência que não há separação entre o que se imagina e a realidade objetiva.

Chamam a isso de pensamento mágico e o mundo adulto se ocupa de anular esse instrumento em todas as crianças e nós, obedientes, aprendemos a esquecer.

Porém, o pensamento mágico não se esquece de nós e, no interstício entre pensamentos e ações, sempre navega serpenteando a idéia de que a força dos pensamentos determina a realidade objetiva.

Nos últimos anos isso ganhou pompa científica e o nome de “saber quântico”, que todo mundo arvora e ninguém consegue entender direito. Porém, todos sabemos o que é pensamento mágico, como funciona e, principalmente, sabemos que é essa a verdadeira força motriz de nossas realizações.

O problema consiste em que, tendo nossa expectativa de realização se apoiado nesse instrumento, ao passo que pouco domínio sobre nossas mentes temos, o resultado é nós criarmos monstrengos de realidade constantemente, apenas esboços daquilo que verdadeiramente imaginamos.

Às vezes duram tão pouco esses esboços que nem merecem ser chamados de realidade, apenas de tentativas.

Em alguns tempos, como o deste período em andamento, a mente fica tão retorcida e desejosa de provar a si mesma, mais uma vez, que tem a força da realização, que ficamos nos regozijando com pensamentos vis e imaginando de que forma poderíamos fazer mal a alguém à distância.

Como essa força é nossa, vale a pena advertir que os resultados dela voltarão a nós, porque são nossos filhos. Por isso, será que valeria a pena continuar em frente com esse exercício tolo?