Oscilações

Oscilações

Oscar Quiroga

07 de junho de 2013 | 00h33

 

Às 0h33 de sexta-feira 7-6-13 a Lua quase Nova ingressou em Gêmeos e está em conjunção com Marte, quadratura com Netuno e sextil com Urano até 0h33 de sábado 8-6-13, horário de Brasília. No mesmo período, Vênus em trígono com Netuno e Saturno, Mercúrio em oposição a Plutão, Marte em quadratura com Netuno.

Quanto mais fortes forem seus anseios, expectativas e desejos, mais fortes também serão as oscilações deste momento.

Eis um período de grande complexidade, em que acontecem avanços e retrocessos simultâneos, para você arrancar os cabelos e reluzir sua pouca ou muita sabedoria, já que vai precisar dela para administrar os trancos e solavancos deste tempo.

É como se todas as pontas soltas tivessem se reunidos ontem à noite e decidido, numa verdadeira conspiração, metralhar nossa humanidade com mais assuntos dos que uma mente normal seria capaz de administrar.

Porém, vamos dar um voto de confiança à Vida, a qual, afinal, é a nossa vida também, e imaginar que se é isso que acontece, que então nossa humanidade tem andado indolente demais e precisa desses trancos e solavancos todos para despertar e funcionar como deve, como é capaz de funcionar.

Gastamos tempo demais em conforto, arrumando as coisas para o descanso, mas pouco tempo em nos preparar para que o trabalho seja desempenhado com excelência.

Trabalhamos para garantir conforto, mas se estamos sempre confortados, nunca trabalhamos, porque o conforto nos torna indolentes.

Esta não é uma crítica ao conforto em si mesmo, todos precisamos de descanso, mas esse pode acontecer sem grande sofisticação, através de uma boa leitura ou de simplesmente andar por um parque.

Porém, também nascemos entre o céu e a terra para expressar nossas potencialidades, é para isso que o trabalho existe. Se não fazemos isso, então nossa existência será um desperdício.

Agora, então, será um desses momentos em que podemos, através da mistura simultânea de avanços e retrocessos, agruras e delícias, demonstrar a que viemos e se somos capazes de sustentar nossos sonhos e anseios num mar agitado, sem outra bússola que nossa confiança em nossas potencialidades.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.