Os opostos que não são

Os opostos que não são

Oscar Quiroga

25 de abril de 2013 | 07h26

Às 7h26 de quinta-feira 25-4-13 a Lua ingressou em Escorpião e completa sua fase CHEIA em oposição a Marte, trígono com Netuno, conjunção a Saturno e oposição a Vênus até 5h57 de sexta-feira 26-4-13, horário de Brasília.

Hora de conciliar os supostos opostos, uma rima feliz, mas que complica a vida interior e exterior de toda nossa humanidade.

Acostumados a imaginar que haja opostos irreconciliáveis, o máximo que conseguimos fazer para associá-los é chamá-los de “complementares”, mas isso, francamente, não ajudou nem um pouco a reconciliá-los de verdade.

Espírito e matéria, Deus e Satanás, homem e mulher, ideais e dinheiro, agregue o que você quiser à lista; os opostos, ainda que complementares, continuarão em conflito perpetuamente.

Acontece que isso só é assim por uma questão do pouco alcance do entendimento humano a respeito da vida, que é uma só, não precisando de opostos, nem complementares nem irreconciliáveis.

Não há verdadeira oposição entre espírito e matéria, são duas medidas de uma mesma coisa, a Vida. Você não colocaria em oposição o metro e o litro, você não diria que o alqueire seria oposto ao megabyte, não é? Pois é isso mesmo que acontece com todos os que, de pés juntos, juramos que são opostos irreconciliáveis.

Espírito e Matéria não são opostos, são duas medidas diferentes de uma mesma dimensão, e agora vai viver o que lhe resta de existência tentando se recuperar de todos esses anos desperdiçados em conflitos insuperáveis, só porque eram inexistentes.

Não se pode superar um conflito que não existe, porque o que existe é o equívoco que o transforma em conflito. Só se pode superar o equívoco, e por essa façanha compreender e aceitar que as medidas diferentes não provocam necessariamente uma oposição irreconciliável.

Cada macaco em seu galho, cada coisa em seu devido lugar, tudo em harmonia e de acordo com sua proporção inerente.

Há uma medida para cada dimensão, porém, todas as dimensões são partes integrantes da mesma Vida.

As oposições que parecem surgir são fruto de suas preferências, de suas visões, sempre parciais, da realidade da Vida.

E aí, ao você se apegar a uma medida que considera melhor do que as outras, começa seu ciclo de vitórias e derrotas, que só terminará com você no chão, tendo de admitir que não havia nenhuma oposição desde o começo, só seu equívoco.

Melhor adiantar expediente e começar a resolver os equívocos e prejuízos. Lua CHEIA é para essas coisas, para ir além do que normalmente pareceria aceitável.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: