O processo criativo

O processo criativo

Oscar Quiroga

13 de agosto de 2014 | 10h00

 

Às 10h de quarta-feira 13-8-14 a Lua que míngua ingressou em Áries e está em trígono com Vênus e Júpiter, quadratura com Plutão, conjunção com Urano, trígono com Sol e Mercúrio até 12h50 de sexta-feira 15-8-14, horário de Brasília. No mesmo período, Júpiter e Netuno em quincunce, Marte e Plutão em sextil.

Para entenderes qual é a parte que te toca desempenhar individualmente no Universo terás de, em primeiro lugar, reconhecer o que tens em comunhão com a espécie da qual retiras esse senso de individualidade que tanto prezas.

A espécie humana é uma entidade criativa, não se conforma com as coisas como elas são, lhe urge inventar algo diferente, algo que a natureza não proveja, algo que não aconteça por obra da inércia, mas que surja como resultado de aproximar a visão subjetiva da realidade concreta.

Por isso mesmo a inércia é tua maior inimiga, ela é a que te impede de ser quem Tu és, de utilizares todos os mecanismos e instrumentos disponíveis por seres uma parte integrante da espécie criativa que chamamos de humanidade.

Te maravilhas diante da perspectiva de inventares algo, isso é muito bom, mas logo em seguida te aterroriza o fato de isso não acontecer por si só e, ainda mais, te incomoda o fato de que para completares teu processo criativo não é suficiente que ajas como uma individualidade, mas que tenhas de fazer uso do espírito de colaboração e que, por isso, teu processo criativo não seja exclusivamente teu, mas compartilhado.

Assim passam os dias e tua consciência se debate tanto em complexos sentimentos desencontrados e conflitos interiores e exteriores, que corres o risco de teu tempo entre o céu e a terra acabar e Tu não teres feito nada do que vieste fazer. Isso é completamente possível, acontece nas melhores famílias.

Renova teu atrevimento, enfia a cara na realidade, mais te valerá fazer algo de forma atrapalhada do que não fazer nada, e se teu movimento não ficar bem na foto, joga fora todas as molduras, tua vida não é uma foto, é um filme em múltiplas dimensões.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.