O labirinto, de novo

O labirinto, de novo

Oscar Quiroga

25 de maio de 2014 | 20h54

 

Às 18h28 de domingo 25-5-14 a Lua que míngua ingressou em Touro e está em sextil com Netuno, trígono com Plutão, oposição a Saturno e sextil com Júpiter até 6h10 de terça-feira 27-5-14, horário de Brasília.

Neste momento sublime tua alma constata que se encontra presa no labirinto que seus próprios passos tramaram, e que ainda que erga invocações dolorosas ao céu em busca de ajuda divina, está à sós com sua criação.

Não, tua alma não foi abandonada, pelo contrário, foi tua própria alma que abandonou o Divino quando, inebriada com seu poder de criação imaginou que sozinha se bastaria. Pois bem! Aqui estamos, á sós com nossas próprias almas, no centro do labirinto que nossos próprios passos tramaram.

Uma esperança temos, se fomos capazes de nos encerrarmos aqui, somos também plenamente capacitados para destruir o que nos oprime.

Não esperes golpes de sorte, pois não foi por golpes de sorte que este labirinto foi tramado, esta é tua escrita, que desejas ardentemente reescrever.

Para isso, terás de ir além de tua própria alma e começar a reconhecer que há um fio de meada que alinhava todas as almas, e que quando renunciares a continuar lutando contra tudo e contra todos começarás também a compreender que a criação sustentável na direção do infinito só é possível em comunhão com teus semelhantes.

Esses passos em comunhão não tramam labirintos, acompanham os misteriosos movimentos do Cosmo, que é o corpo daquele em que te movimentas e experimentas ser.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: